Início Site Página 2

O que você achou do clipe SUA CARA? De Major Lazer (feat. Anitta & Pabllo Vittar)?

0

O que achou do clipe SUA CARA? De Major Lazer (feat. Anitta & Pabllo Vittar)?

.
.

Nenhum gay com HIV indetectável infectou outra pessoa, diz estudo.

0

Pesquisa recente realizada com 358 casais do Brasil, Tailândia
e Austrália foi apresentada em Paris

Sei bem que o maior problema do preconceito é a falta de informações sérias a respeito de algo. Descobri isso em 2006 quando escrevi meu primeiro livro sobre a homossexualidade e os processos psíquicos que envolvem a “entrada e saída do armário”, hoje um verdadeiro sucesso. O mesmo ocorre com outras questões que não deveriam ser polêmicas: quando não procuramos saber a respeito de algo, nos perdemos e acabamos sendo (na maioria das vezes) preconceituosos.

Quando escrevi meu quarto livro, o romance gay chamado Theus (modestamente outro grande sucesso), embora uma obra de ficção, fiz questão de colocar diversos assuntos que considero sérios e verdadeiros para que meus leitores pudessem “abrir um pouco mais suas mentes” sobre diversos assuntos que rondam a “vivência homossexual” atual. Uma delas, informada por um dos personagens ao protagonista, é de que quem tem HIV, toma coquetel e tem sua carga viral indetectável, não consegue – mesmo se quisesse – transmitir o vírus do HIV para outra pessoa por meio do sexo desprotegido (afinal, sua carga viral é tão baixa no seu organismo, por conta da medicação que toma, que é impossível transmitir algo).


A princípio, muitas pessoas se espantam com esta informação. Raros enfaticamente dizem que não, que existe um risco sim. Bom, eu não sou médico, mas após o lançamento do meu romance gay Theus eu achei um vídeo de um médico brasileiro, infectologista, que cita todo o estudo feito em pessoas com HIV, que tomam a medicação (carga viral indetectável) e que não transmitiram o vírus. Quando aconteceu a transmissão, ao estudar o DNA do vírus, descobriu-se que ele foi transmitido por outros parceiros (com carga viral alta: provavelmente que não tomavam o coquetel). Na época virou até postagem aqui no blog, para quem me acompanha. Quem não, pode dar uma olhada no vídeo aqui

Bom, o que temos agora é mais um estudo (recente!) dizendo que essas pessoas, com HIV e carga viral indetectável, não transmite mesmo o HIV. Chamado de Os Opostos Se Atraem, o novo estudo envolveu 358 casais gays no Brasil, Tailândia e Austrália analisados entre 2012 e 2016. Durante este tempo, os casais tiveram 17 mil relações sexuais sem camisinha incluindo o sexo anal.

Neste estudo, porém, todos os casais eram sorodiscordantes: um tinha HIV com carga viral indetectável e o outro não tinha HIV. Segundo Andrew Grulich, do Instituto Kirby da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, “Nossa pesquisa acrescenta à evidência de um pequeno número de outros estudos internacionais de casais hetero e homo e significa que podemos dizer, com confiança, que efetivamente o tratamento do HIV bloqueia a transmissão em casais com diferentes níveis de HIV“.

Em outras palavras, caso você tenha feito sexo desprotegido com alguém e esta pessoa avisou que tem HIV, toma medicação e sua carga é indetectável, ela não transmitiu e nem conseguirá transmitir o HIV para você. Caso você tenha pego, basta fazer um estudo filogenético do vírus para confirmar: tudo vai levar a infecção por outra pessoa (provavelmente uma que não toma a medicação ou nem saiba que tem o vírus).


Claro que isso não justifica, por si só, o não uso da camisinha. Existem diversas outras DSTs por aí. Mas, pelo menos na questão do HIV, hoje sabemos, por diversos estudos, que quem tem, se cuida e toma medicação, além de viver bem (salvo algumas pessoas que possuem problemas com os antiretrovirais) não vai transmitir o HIV para outras pessoas.

Só vai transmitir pessoas que tem HIV, não tomam medicação e possuem carga viral alta (muitos vírus no organismo: promovendo a contaminação). E acredite, muita gente não sabe que tem, não se interessa em fazer o exame ou até mesmo tem medo de fazer e receber uma resposta positiva. O que é errado. Transou sem camisinha? Faça exames e se cuide. Hoje e sempre.

É isso aí. Como eu vivo dizendo, informação é tudo nesta vida. 🙂

Se puder, compartilhe este meu post nas redes sociais. Vamos acabar com a ignorância e o preconceito dentro e fora da comunidade LGBT.

#BaladaGLS: Boate Tunnel promove festa com doações para Voluntários do Emílio Ribas

0

Nesta sexta, dia 28 de Julho, a boate Tunnel, uma das casas noturnas voltadas para o público GLS (gays, lésbicas e simpatizantes) mais antigas de São Paulo promoverá doações de clientes para os pacientes com HIV do Hospital Emílio Ribas.

Comemorando seus 25 anos de existência em Agosto/2017, a Tunnel é uma das casas que sempre promoveram, junto com sua madrinha Nany People, ações voltadas para o grupo VER (Voluntariado Emílio Ribas).

Para esta noite de sexta-feira, pede-se que, cada cliente leve um Shampoo (De qualquer marca acima de 300ML) e terá VIP em qualquer horário.



Entre as atrações da noite estarão os DJs André Pomba, Glauber Monteiro, Ely Walker, Lorran Ciriaco, Luiz Gustavo e diversos outros em três pistas: Pista Disco, Pista PopZona e PistaHouse.

Shows de Kimberlly Bey, Gysella Popovick e Vivian Montilla.

Cheguem cedo!

Serviço:

Tunnel Friends – Em prol do Voluntariado Emílio Ribas
Dia 28/07/2017 a partir das 23h
Rua dos Ingleses, 355 – Bela Vista – São Paulo / SP – 11 3285-0246
http://www.tunnel.com.br/

 

1ª Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT será em São Paulo

0

Câmara de Comércio LGBT Brasileira realiza evento internacional em São Paulo focado exclusivamente em negócios e turismo LGBT friendly, com debates, mesas redondas, painéis apresentação de destinos e questões pertinentes à diversidade para a economia.

Nos dias 25 e 26 de setembro de 2017 a CCLGBTB (Câmara de Comércio LGBT Brasileira) realizará a 1ª edição da Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT. O encontro irá reunir empresários, presidentes de Câmaras LGBTs Internacionais, gestores públicos, autoridades, empreendedores e investidores de todo o mundo no Teatro Sérgio Cardoso em São Paulo.

A Conferência é destinada às empresas, entidades, poder público e pessoas de todos os continentes que têm interesse em debater e pensar a diversidade em suas várias vertentes. Os conferencistas irão trocar experiências e juntos pensar novas práticas para que o respeito seja uma busca constante. O evento também pretende apresentar os cases de sucesso e práticas adotadas pelas empresas que têm um comprometimento com a eliminação da LGBTfobia dentro das suas organizações.



“Queremos que todos os setores encontrem neste evento a possibilidade real de negócios, por meio de network na conferência e nos debates. Esse é o momento ideal para divulgarmos efetivamente as ações já em andamento que buscam um mundo mais diverso” disse Ricardo Gomes, presidente da CCLGBTB.

No recorte do Turismo os representantes de Países, Estados e Cidades que se intitulem ou que queiram se tornar destinos LGBT friendly, além de empresas e profissionais do turismo que desejam atuar com o público LGBT e/ou ampliar o trabalho já existente, estarão reunidos em um mesmo local, prontos para trocar experiências e realizar negócios. Profissionais dos setores público e privado farão um debate profissional com o objetivo de fazer crescer ainda mais este nicho, um dos mais promissores mundialmente.

O formato da Conferência já é uma constante nas Câmaras de Comércio LGBTs em outros países das Américas, mas esta é a primeira vez que a CCLGBTB realiza tal ação. Já estão confirmadas as presenças do presidente e vice-presidente da CCGLAR (Câmara de Comércio Gay Lésbica Argentina), senhores Pablo de Luca e Gustavo Noguera e do CEO da NGLCC (Câmara de Comércio Nacional Gay e Lésbica, dos EUA), Chance Mitchel.



Organização e apoios

A co-organização do evento é em parceria com a Prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado de São Paulo. Para Efrén Eduardo Colombani, Assessor de Cultura para Gêneros e Etnias da Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo, o Evento é de suma importância e pretende ser um marco para o Brasil. “O Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura, tem a grata satisfação de receber e apoiar esta importante iniciativa realizada pela CCLGBTB, que promove a diversidade, revelando a riqueza de nosso patrimônio histórico, cultural e natural e a dimensão humana de nosso povo, contribuindo com o desenvolvimento sustentável de negócios do setor, movimentando a economia, incentivando a qualificação de profissionais e o apoio à comercialização de produtos e serviços que ofereçam a possibilidade de vivência de novas experiências e a oferta de destinos preparados a receber esta grande comunidade, em busca de um Brasil plural e inclusivo”, disse.



Para Ivan Batista, Coordenador de Políticas para LGBT da Secretaria de Direitos Humanos da cidade de São Paulo, tanto a cidade quanto o País precisavam de um evento que reunisse o poder público e a iniciativa privada para debater a geração de postos de trabalho e o incremento das empresas e dos negócios LGBT inclusivos. “Sendo a indústria do turismo relevante na nossa economia, faz todo sentido debater a inclusão da comunidade LGBT no setor, principalmente para melhorar o atendimento e por criar oportunidades de emprego”, finaliza o Coordenador.

Recursos

O evento terá como sede o Teatro Sérgio Cardoso, em local central de fácil acesso. Na sala destinada aos profissionais de turismo são esperados até 150 pessoas. Os outros temas acontecerão na Sala Principal do Teatro, com capacidade de até 500 conferencistas.

As inscrições para a Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT são gratuitas e poderão ser feitas a partir da segunda quinzena de agosto pelo site www.camaradecomerciolgbt.com.br.

AGENDA

1ª Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT
Promoção: CCLGBTB
Data: 25 e 26 de setembro
Horário: 8h30 às 19h
Local: Teatro Sérgio Cardoso
R. Rui Barbosa, 153 – Bela Vista, São Paul
Inscrições (a partir de 14 de agosto)
www.camaradecomerciolgbt.com.br

Transar com amigo fortalece a amizade, segundo pesquisa

0

Por incrível que pareça, transar com amigo fortalece a amizade. Pelo menos é o que diz a pesquisa coordenada pela professora Heidi Reeder, do Departamento de Comunicação da Boise State University, nos Estados Unidos.

Segundo Reeder, o sexo entre amigos não só é possível como também é recomendado para fortalecer a amizade. A pesquisadora analisou 300 pessoas, entre homens e mulheres. Vinte por cento dos entrevistados disseram ter feito sexo com amigo(a) em algum momento da vida. Destes, 76% afirmaram que a amizade melhorou muito após a intimidade sexual. E pelo menos metade começou um relacionamento mais intenso a partir disso.



O grande problema de se transar com algum amigo é que alguns realmente não vai. Mas e aquele amigo gato? Será? Ou outros amigos que você pode vir a sentir tesão (afinal, não precisa ser gato! rs)?

Bom, pelo menos é melhor você transar com um amigo do que com um inimigo, certo? E aí?

Qual sua opinião sobre isso?

Livros com temática LGBT na Feira Cultural da Diversidade em Guarulhos/SP

0

Neste sábado tem Literatura LGBT na Feira Cultural da Diversidade 2017 em Guarulhos/SP. Eu e outros autores (Aline Stivaletti, Karina Dias e Paula Curi) estaremos na Praça Getúlio Vargas das 12h as 22h (eu só vou ficar até as 20h por conta de outro compromisso).

Cheguem cedo!

Link do evento: Facebook.com/events/1919645434978935/

Além de livros com temática LGBT, o evento terá shows de drags, food trucks, performances, aulas de zumba e diversas atrações:

Programação artística:

13:00 – Dança Seja Livre – IANT
13:30 – Peça Teatral Life House – IANT
14:00 – Zumba – Studio Janaina Dantas
14:30 – Sertanejo Universitário -Andreone de Fé
15:30 – Dj Convidado
16:00 – Cerimonia Oficial
17:00 – Dança de Salão- Academia Red Black
17:30 – Fit Dance- Academia Red Black
18:00 – Artes Marciais- Academia Red Black
18:30 – Dj May Mark – Xxtreme Party
19:15 – Dj Tubarão – Balada Tunnel
20:00 – Shows de Drags e Performance



————————–————————–———————-

Expositores Confirmados

Subsecretaria de Politicas da Diversidade – Instruções e apoio
Bazar Luciana Marinatti – Vestuario
Logay – Vestuario e acessorios LGBT
OAB GRU – Comissão da Diversidade
Psicologos – FIG
Basfond \ Coração e Alfinete – Acessorios e bibelots
CTA Itinerante – Testagem de Saúde
Fabio – Fabricio – Karina – Paula – Escritores temáticos LGBT
Familia LGBT / Stronger
Atelie Ki Encanto – Biscoito personalizados
Peter´s Momy – Bolos e empadas
Bar das tias – Bebidas e batata no cone
Igreja IANT – Igreja Inclusiva
ONG Afirmação Mórmons – Igreja Inclusiva
ONG Chico Mendes
Brittos Hair Cabeleireiros
Germania – Chopperia
Quick Massagem
Droga Raia – Limpeza de pele – aferimento de pressão e destro
ACE Guarulhos -Instrução de formalização de CNPJ
Elle 91 – Entretenimento adulto
Food Trucks – Massas, Hamburguer e Lanches (pernil e calabresa)

Será incrível! Participem! Esperamos todos lá! 🙂

Modelo ruivo ajuda moradores de rua LGBT lançando calendário com nudez total.

1

O modelo ruivo Seth Fornea, que adora se exibir nas redes sociais, teve uma ideia: produzir um calendário 2018 com nudez total. E melhor, parte das vendas será destinada a ONGs da sua região que cuidam de moradores de rua LGBTs.

Americano, Seth conta que as fotos foram feitas nas montanhas da Carolina do Norte e que, recentemente, esteve se apresentando como go-go dancer da Papa Tour, do Eliad Cohen.

Até o momento, ele conta que os calendários serão limitados: apenas 500 exemplares serão impressos.



Outras personalidades já pousaram nu, como os remadores do Reino Unido, onde parte das verbas foram destinadas a ONGs gays.

Resta saber se a moda pega aqui no Brasil. Gostaria que sim! 🙂

Confira algumas fotos do Seth, aqui:

#Banheirão: Pegação gay em banheiro público vira jogo!

0

Pois é, como sabemos, atos obscenos em local público (e isso inclui banheiros públicos) pode dar até um ano de prisão. Em todo o caso, quando se trata de ficção ou games, tudo é possível: a série GTA, onde podemos assaltar, bater ou matar qualquer pessoa na rua é uma grande prova disso!

Em todo o caso, o que parecia surreal, aconteceu. O designer de games chamado Robert Yang desenvolveu um jogo onde você entra em um banheiro público, todo zuado, e tem que fazer pegação com outro homem.



Detalhe: precisa perceber se o cara está interessado e, se tudo der certo, partir pra cima. Só tem que tomar cuidado pois tudo pode acontecer, inclusive a polícia chegar.

Não está acreditando? Veja um trecho você mesmo:

Pois é. Se você curtiu e quiser baixar sua versão gratuita (por sua conta e risco!), o link é este aqui.

Se conhece algum outro jogo parecido, comente!

Segundo pesquisa, gays preferem homens barbados. Concorda?

0

Uma pesquisa realizada na Universidade de Queensland, na Austrália, feita com 1.577 homens e mulheres no Brasil e na República Checa, detectou que entre as pessoas pesquisadas, grande parte dos homossexuais se interessa mais por homens com barba do que homens sem barba.

Diz o estudo, publicado no jornal Evolution and Human Behavior da Inglaterra, “Os homens homossexuais preferem estímulos mais peludos que as mulheres heterossexuais, dando suporte às teorias que dizem que os gays tem preferência por traços viris.”



Outro dado da pesquisa revela que os rapazes que se relacionam com homens barbados gostariam que os pelos de sua face fossem mais espessos. E que a maioria deles acaba desejando seus iguais: homens com barba parecida com a sua.

Segundo o Dr. Barnaby Dixson, um dos cientistas responsáveis pela pesquisa, “Quando a barba se tornar algo comum, ela será menos atrativa para os gays”.

E você? O que acha? Também se interessa por homens barbados? Deixe seus comentários!

Qual a data da Parada Gay em 2018? Parada do Orgulho LGBT?

0

Além de ter escrito quatro livros com temática LGBT, também presto serviços de jornalista e assessor de comunicação da APOGLBT, ONG responsável pela maior parada LGBT do mundo: a de São Paulo. E uma das perguntas que sempre recebo é: quando será a data da Parada Gay em 2018?

 

Então, para que todos possam se adequar a data, vou ensinar um “segredinho”. Todos os anos, a Parada é realizada no primeiro domingo após o feriado de Corpus Christi. O feriado sempre é em uma quinta, logo, em 2018, será dia 31 de Maio. Então, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo será no dia 03 de Junho de 2018.

Entenderam?

Claro que, ano ou outro, isso muda. Mas, geralmente, essa é a “regrinha”. Compartilhem!

Pabllo Vittar passa RuPaul e se torna a Drag mais seguida no mundo!

0

Sou da época em que Léo Áquila deixou suas performances de lado e começou, também nas boates gays de São Paulo, a cantar. Embora tenha batalhado muito, não vingou. Não sei analisar o motivo, se foi o momento em si. Mas, simplesmente não “estourou”.



Porém, hoje em dia, é comum ter algum LGBT cantando. E temos muitos. E fazendo muito sucesso. Sucesso não só pra comunidade LGBT mas para a sociedade inteira. O que não esperávamos é o sucesso astronômico de Pabllo Vittar. E, melhor, ela ultrapassou a Drag RuPaul no Instagram e hoje é a Drag mais seguida do mundo por aqueles lados.

Show de bola não? Merecido.

Que ela continue arrasando com seu talento e sucesso!

ENTENDA: Sobre a tal “censura” da Romagaga na Feira da Parada LGBT de SP

0

Embora eu seja jornalista e assessor de comunicação da Associação da Parada LGBT de São Paulo há dois anos, não falo em nome da ONG e sim em meu próprio nome. Observações minhas, ok?

Bem, o responsável neste ano pelas atrações artísticas foi Heitor Werneck e foi ele quem decidiu todo o elenco da feira e da Parada. Eu trabalhei muito em todos os dias (venho trabalhando há meses, como postei no meu Instagram) e, entre algumas das minhas funções, está em assessorar veículos de imprensa/comunicação em diversos eventos do Mês do Orgulho LGBT. Na feira, por exemplo, fui chamado pela Taís, repórter da Globo News, pois ela deveria entrar com um link ao vivo por volta das 20h (alias, tivemos inúmeros links ao vivo de rádios e TVs nestes eventos todos!). Detalhe: ela queria gravar em cima do palco, mostrando todo o Vale do Anhangabaú (que estava lindo/lotadíssimo!).

Acompanhei a Taís até o palco quando, justamente, entrou a Romagaga dublando sua primeira musica. Uma da LadyGaga (nem lembro qual!). Só sei que, pensei, “Uau, que bacana, a Romagaga está dublando, fazendo um trabalho artístico e não apenas gritando e falando palavrões como faz na Internet!”. Sério mesmo. Achei, pela primeira vez, um trabalho artístico vindo dela.



Porém, poucos segundos antes da Taís entrar ao vivo na GloboNews, a música da Romagaga acabou e ela começou a cantar/dublar outra música, com as frases “Eu quero rola!”, “Come minha buceta!”, “Quero dar meu cu!” e dai pra pior (repetindo a todo o momento). Foi aí que a Taís olhou pra minha cara e falou, pede pra ela parar! Vamos entrar em alguns segundos no ar ao vivo! Eu, desesperado, fui até a parte de som e falei, estamos com link ao vivo! Por favor, alguém vai até a Romagaga e avisa pra ela maneirar! Mas não teve jeito. Uma das pessoas responsáveis pela produção, para tentar amenizar, simplesmente diminuiu o som. Abaixou mesmo. Pra piorar tudo, a Romagaga começou a reclamar no microfone que ela estava sendo censurada/injustiçada. Falta de noção/bom senso total!

Dai, minhas considerações: Primeiro, a Feira Cultural LGBT no qual ela foi convidada pelo Heitor, é um evento público, com cerca de 200 mil pessoas: tem todo o tipo de gente, inclusive crianças e muita família! Não se faz, em nenhum evento deste tipo, shows com palavrões! Artistas com mais experiência sabem disso. Não foi nem questão de ter link ou não ao vivo da Globonews, foi questão de bom senso mesmo. Afinal, não é porque você é sucesso na Internet por gritar, espernear e falar palavrões que você vai reproduzir isso em qualquer lugar (evento aberto, televisão, etc). Concordam?

Esse foi o “bafão” todo cometido com a artista. Ela não gostou nada e, se não fosse a esperta da Drag Tchaka em retirar o microfone da Romagaga assim que ela começou a reclamar, ela teria feito um escândalo por isso!



Resumindo? Faltou bom senso da artista. Depois eu fui lá nos bastidores tentar explicar pra Romagaga o que aconteceu. Vi a diretoria da APOGLBT tentando explicar a ela que não foi censura. Mas eu senti que ela, de fato, não entendeu nadinha. Uma pena. O link ao vivo foi e, por sorte, não entrou “Eu quero rola!”, “Come minha buceta!”, “Quero dar meu cu!” na matéria (isso foi confirmado inclusive pela produção da Globo).

O caso, de fato, é o seguinte: não tenho nada contra a Romagaga, embora não a siga e não me sinta representado em nada por sua “arte” (cada um tem seu público, pra tudo!). Porém, ela precisa ter bom senso e entender que algumas coisas feitas na Internet não se encaixam em eventos públicos. E melhor, quando se é convidada, precisa realmente focar em arte de boa qualidade. Respeitar o público presente e assim por diante (se tudo isso fosse em um ambiente fechado/boate/balada, etc, tudo bem).

Resumindo, para quem escutou algo sobre Romagaga na Parada, foi isso. Suspeito eu que ela realmente nunca mais será convidada. Não foi censura. Foi falta de bom senso. Apenas isso. Uma pena. Se ela tivesse feito seu show parecido com a primeira música, teria sido incrível. Fica a dica para as outras oportunidades que surgirem na vida dela. Se é que ela terá humildade para aceitar conselhos. Esperamos que sim.

#ParadaSP: Por que Estado Laico foi tema da Parada LGBT de São Paulo?

0

Todos os anos, a ONG Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, faz diversas reuniões ao longo do ano com coletivos, outras ONGs e militantes independentes e, juntas, discutem qual o tema da Parada LGBT do próximo ano.

Após diversas reuniões, o tema escolhido foi Estado Laico. A justificativa, como chegaram a este tema e sua real importância, foi publicada no portal deles e informada diversas vezes nas redes sociais. Porém, muita gente ainda come bola. Dá opinião sem ter lido a justificativa oficial e comenta sem saber nada de nada (muito comum nos dias de hoje, não? Por isso estou copiando logo abaixo a justificativa oficial. Leia, entenda e compartilhe. Informação sempre será o melhor remédio para a ignorância.

Grande abraço do jornalista, escritor e gay assumido, consciente do quanto importante é essa luta por respeito e visibilidade LGBT, Fabrício Viana.





Justificativa do tema da Parada LGBT de SP de 2017

“A laicidade do Estado democrático garante respeito à diversidade religiosa, humana e cultural. O Estado deve assegurar todos os direitos humanos, tais como a liberdade religiosa, o Direito de cada cidadão a exercer ou não a religiosidade que quiser, mas deve ser garantida a não discriminação. Além disso, é necessária a autonomia do Estado frente às Igrejas, garantindo sua imparcialidade.

Essa conquista cidadã – inclusive para todas e todos fiéis religiosos – está garantida pelos princípios constitucionais da democracia, liberdade, igualdade e separação entre Estado e Igreja nos artigos 1°, 5°, 19°, inciso I o qual transcrevemos:

Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público.

Entretanto vê-se, por meio de políticas de privilégios tributários e de concessão de canais de TVs e rádios, por exemplo, o favorecimento de algumas instituições religiosas em detrimento de outras. Além disso, vivencia-se o crescimento constante da representatividade do fundamentalismo religioso em todas as esferas governamentais.

É uma grave ameaça à cidadania, e à democracia constitucional brasileira, o fato de integrantes dos Três Poderes, em qualquer nível, atuar tendo como guia seus valores religiosos, sem observância à cidadania, à pluralidade e aos direitos humanos. Cargos públicos não podem ser utilizados para imposição de visões religiosas quaisquer sejam elas.



Dentre as diversas vítimas do desrespeito ao Estado Laico, estamos nós LGBT. Os exemplos são inúmeros – e desumanos. É proposta legislativa federal o Estatuto da Família, que, com base unicamente em argumentos religiosos, não reconhece como legítimos e legais diversos arranjos familiares, inclusive com responsáveis legais LGBT.

Vimos nos anos de 2015 e 2016 retrocessos na promoção da igualdade de gênero nos planos de educação articuladas por bancadas legislativas católicas e evangélicas, e referendadas por chefes do Poder Executivo. E ainda há trabalho para que o Ensino Religioso no sistema público de educação seja confessional ao invés de propor visão secular da história das religiões. Seria o Estado a serviço do fundamentalismo religioso.

No Congresso Nacional, o debate sobre a criminalização da discriminação por orientação sexual e identidade de gênero é repleto de ataques de parlamentares da bancada religiosa conservadora, muitos dos quais envolvidos em crimes de corrupção. Seus argumentos? Alguns citam suas visões de fé, como se estivessem em lugares religiosos e não em uma instituição que deveria se orientar pela laicidade, portanto, pelo respeito à Constituição.

O mesmo ocorre no debate sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo no Congresso Nacional. A busca é por reconhecimento legal, e tão somente com foco no casamento civil. Entretanto, seus opositores sacam do coldre, em inadmissível desrespeito à igualdade – outra cláusula pétrea constitucional -, referências religiosas na tentativa de derrubar a necessária separação entre Estado e religião, base do Estado moderno.

São vistas omissões de governantes no Poder Executivo no dever de proteger, garantir e defender os direitos humanos e a cidadania de LGBT por meio de políticas públicas de superação das discriminações contra tal diversidade humana, e de sua inclusão em áreas tais como saúde, trabalho, educação e segurança pública.



E o que dizer do Poder Judiciário, cuja missão é defender a Constituição e, portanto, a laicidade? No entanto, vemos tribunais ostentando crucifixo, em detrimento de outras religiões. Se seguisse a laicidade, nenhum símbolo seria posto, o que serviria como mostra do respeito a todas as crenças.

O direito a escolher ou não a uma religião também nos é fundamental, especialmente quando algumas religiões não aceitam LGBT. Nesse sentido, o ataque a outras religiões, principalmente as de matriz africana – essas majoritariamente inclusivas – e a conivência do Estado aos ataques civis que elas sofrem, também nos prejudica.

Por fim, os direitos reprodutivos e ao próprio corpo não devem ser cerceados por nenhum dogma religioso.

Pelo grande risco que significa ao Estado Laico para a cidadania de todas e todos, convocamos nesse momento e para fortalecer nosso movimento e luta, as mulheres, as pessoas negras, as minorias religiosas, minorias étnicas, ateus e agnósticos, para estar na maior Parada LGBT do mundo, trazendo seu protesto, sua manifestação em favor do Estado Laico e em defesa da igualdade.”

Anitta confirma presença na Parada do Orgulho de SP no trio da Uber

0

Tão diversas quanto a própria Parada serão as atrações do Trio Uber neste domingo em São Paulo. Do pop ao sertanejo, do eletrônico ao Axé, a Uber promoverá um verdadeiro encontro colorido entre todas as tribos.

Entre as atrações, a tradicional festa Chá da Alice, participações especiais das cantoras Anitta, Naiara Azevedo, Lorena Simpson e Márcia Freire (ex-Cheiro de Amor), além de uma atração musical surpresa.

A Uber vai transportar a alegria para Avenida Paulista a partir do meio dia deste domingo, 18 de junho.



Confirme presença no evento oficial:
https://www.facebook.com/events/105978123240834

Facebook terá reação “Orgulho” nas publicações durante o Mês do Orgulho LGBT

0

O Mês do Orgulho LGBT serve, acima de tudo, para gritarmos ao mundo o quanto somos felizes por sermos quem somos, inclusive nas redes sociais. Então, comemorando esse mês, o Facebook terá um botão especial onde poderá reagir com “Orgulho” nas publicações.

O ícone, que será uma bandeira LGBT (Bandeira Arco-íris) ficará entre os botões de “Amei” e “Haha”. Segundo o Facebook, a reação ficará disponível durante todo o mês de Junho.

Além disso, os usuários poderão adicionar filtros especiais, onde laços coloridos são adicionados à foto de perfil comemorando a diversidade e o orgulho LGBT.



Essa não é a primeira vez que a companhia faz um botão de comemoração. No dia das mães, uma flor roxa de “Gratidão” costuma aparecer, e domina toda o feed com florzinhas subindo pela tela.

E aproveitando que estamos falando do Facebook, vai lá agora e curte a minha página: http://facebook.com/fabricioviana.escritor