Início Site

Onde comprar meus livros? Temas: LGBT, Marketing, Psicologia, etc…

0

Além de jornalista e bacharel em psicologia, também sou autor do livro O Armário (sobre a homossexualidade e os processos psíquicos que envolvem a saída e entrada do armário), Ursos Perversos (contos eróticos gays), Orgias Literárias da Tribo (coletânea LGBT premiada duas vezes em 2015!), THEUS: Do fogo à busca de si mesmo (romance gay incrível, meu maior sucesso!) e muitos outros de psicologia, marketing, etc.

Como sou autor independente desde 2006, nenhum dos meus livros você encontra em livrarias! Para comprar seu exemplar na versão digital (Amazon) ou impressa (Bons Livros Editora Digital), visite agora mesmo: http://fabricioviana.com/livros Lá tem todas as informações!

Fotos com meus leitores? Aqui. 

Me adicionar nas redes sociais? Aqui.

Autor de livro sobre a homossexualidade marca bate-papo online com leitores

0

Escrito em 2006 com a finalidade de ajudar as pessoas a entenderem a homossexualidade e os principais mecanismos psíquicos que envolvem a “entrada” e a “saída do armário”, o livro O Armário (produção independente, 144 páginas), é dividido em duas grandes partes: a primeira, narra sobre a vida do jornalista, escritor premiado, bacharel em psicologia e gay assumido Fabrício Viana e a segunda, sobre a história e diversos componentes importantíssimos sobre a “saída do armário”, como a história da homossexualidade, machismo e a homofobia internalizada.

Tem mais de 12 anos que eu escrevi O Armário e ele já ajudou muita gente. Embora falemos mais sobre a homossexualidade, ainda há muitas pessoas que precisam de ajuda para ser realmente quem são. A homossexualidade não é uma doença, é apenas uma vertente saudável da sexualidade humana. E não apenas homossexuais, pais, professores, psicólogos, todos podem ler meu livro e entender mais sobre esse desejo que ainda é considerado proibido por muitos”, diz o autor que, até o momento, já escreveu e publicou quatro livros com temática LGBT.

Segundo ele, a ideia do bate-papo surgiu graças as funcionalidades das “lives”, dentro do Instagram e páginas do Facebook. Entretanto, para este bate-papo, agendado para o dia 21 de Agosto entre 20h e 21h, a transmissão será feita apenas por sua página no Facebook. Link do evento online e gratuito aqui http://fabricioviana.com/evento2018

Como o livro é uma produção independente, Viana destaca que não adianta procurar meus livros nas livrarias. Tudo é vendido pelo meu site pessoal ou na Bons Livros Editora Digital, uma micro editora com diversos livros com temática LGBT.

Embora o bate-papo seja específico sobre a homossexualidade e o livro O Armário, Viana destaca que leitores podem também querer fazer perguntas sobre seus outros projetos, livros e ações atuais.

“Será um bate-papo informal, online e bem descontraído. Oportunidade única. Não costumo fazer lives”, destaca o jornalista e autor.

Serviço:

Bate-papo online sobre a Homossexualidade com Fabrício Viana
Dia 21/08 das 20h às 21h. Online e gratuito.
Basta confirmar presença no evento do Facebook:
http://fabricioviana.com/evento2018
Para comprar os livros do autor, visite http://fabricioviana.com/livros
Para versão impressa: http://bonslivroseditoradigital.com.br

Inclusão de Pedófilos, na sigla LGBT, é fake news. Diga não a LGBTP!

0
Desde que escrevi, em 2006, meu livro sobre a homossexualidade e os processos psíquicos que envolvem a entrada e a saída do armário (livro O Armário) eu escuto diversas atrocidades querendo associar a homossexualidade a distúrbios psiquiátricos.
.
E parece que as coisas não mudam. Recentemente, um candidato a presidência, que não vou citar o nome, mas já é conhecido por combater violentamente a comunidade LGBT, postou em suas redes que agora a comunidade LGBT que incluir o P, de pedófilos, na sua sigla, formando o LGBTP.
.

.
Lógico que é fake news. Notícia falsa. Criada só para confundir ainda mais as pessoas. Afinal, pedofilia (abuso sexual de crianças) é doença e crime. Não tem ligação alguma com orientação sexual ou identidade de gênero, que é foco principal da luta do movimento LGBT.
.
Se verem notícias assim, não compartilhem. Não divulguem. E comentem sempre sobre ser uma fake news (muita gente, infelizmente, nem faz ideia que é fake news). Paz. E mais informação pra tanta gente ignorante.

Após cena de gang bang, ator pornô pede namorado em casamento!

0

Longe da minha pessoa cagar regras, mas eu sou do tipo de cara que primeiro a cama, se o sexo for bom pra todos, rola amizade, namoro e tudo o mais. Claro que tudo depende das afinidades. Talvez, por meu histórico, antigamente (e muita gente faz isso hoje: cada um é cada um), fica seduzindo o crush, leva pra sair, faz isso, aquilo e depois de alguns meses (tem gente que até um ano!) vai pra cama e faz sexo, daí descobre que o sexo é uma droga. Não rola química. E fazem por fazer.

Como sexo faz parte da saúde física e psíquica de um organismo, e bons orgasmos ajudam muito para a manutenção desta saúde (inclusive o hiperorgasmo, quando acontece!), eu sempre fui de fazer primeiro o “test drive”. Dai, se for tudo bem, rola pelo menos amizade. Estou escrevendo tudo isso porque, primeiro, amo escrever (não por acaso tenho mais de quatro livros publicados, com temática LGBT e premiados) e segundo que, como sou muito bem resolvido com estes assuntos, entendo perfeitamente a notícia que vou dar agora.

E é isso mesmo que você leu no título, após cena de gang bang (onde vários homens penetram apenas um, e isso também existe entre heterossexuais: vários homens penetram apenas uma mulher), namorado do passivo (aquele que está dando pra todo mundo), pede ele em casamento!

Se isso faz parte da encenação, não sabemos (acredito que não!). Entretanto, sabemos que casos assim são reais. Ou vocês acham que “puta” (ou pessoas que são atores/atrizes pornôs, etc) não namoram? Sim, eles namoram, casam e tem vida social como qualquer outra pessoa! Neste caso, aconteceu com o ator Brian Bonds que pediu o namorado, também ator, Mason Lear, após uma cena de gang bang.

A cena do pedido de namoro, não a de sexo, foi publicada no twitter da produtora Raw Fuck Club, especializada em sexo sem preservativos. Alias, antes de mostrar o link, uma observação, nunca condenei ninguém (mas também não incentivo: cada um, cada um) pelo não uso do preservativo (tem gente que não gosta mesmo), mas tem outras formas de se proteger ou, se não, faça exames pois se pegar alguma doença, embora não seja simples, trate: principalmente HIV (tomar a medicação, além de você ficar com carga viral indetectável, não vai retransmitir pra mais ninguém e viverá como qualquer outra pessoa). E essa dica não é só para gays, heterossexuais e bissexuais também! 😉

Bom, vamos ao vídeo da cena (e a prova mais concreta que amor e sexo são coisas distintas: o que move, por exemplo, minha relação aberta e poliamorosa): https://twitter.com/rawfuckclub/

E, quando for ler algum livro meu, comece pelo romance gay Theus, anda fazendo muito sucesso (inclusive, tem muita parte lá sobre relação aberta e poliamorosa)!

Sofreu discriminação/violência LGBT em São Paulo? Procure um Centro de Cidadania LGBTI

0

Atendimento gratuito e especializado oferece apoio jurídico, psicológico e orientações sobre os serviços públicos disponíveis na rede

A Cidade de São Paulo conta com quatro Centros de Cidadania LGBTI. Os locais funcionam como pontos de orientação para a população a respeito dos serviços oferecidos na rede municipal, além de prestar apoio jurídico e psicológico às vítimas de violência LGBTIfóbica. As denúncias de LGBTIfobia podem ser feitas pelo disque 100 ou diretamente em um dos centros de cidadania.

Inaugurados em 2015 (Arouche, atual Luiz Carlos Ruas) e 2016 (Zona Sul, Zona Leste e Zona Norte), os centros atuam a partir de dois eixos:

• Defesa dos Direitos Humanos: atendimento a vítimas de violência, preconceito e discriminação com a prestação de apoio jurídico, psicológico e de serviço social, tudo com acompanhamento para realização de boletins de ocorrência e demais orientações.

• Promoção da Cidadania LGBTI: suporte e apoio aos serviços públicos municipais da região central, por meio de mediação de conflitos, palestras e sensibilização de servidores. Realização de debates, palestras e seminários.

Além das sedes fixas na Consolação, Santo Amaro, São Miguel Paulista e Parada Inglesa, quatro Unidades Móveis de Cidadania LGBTI percorrem São Paulo levando estes e outros serviços para as regiões, tornando as políticas públicas da Prefeitura de São Paulo ainda mais acessíveis para o público LGBTI.

A partir de 2017, todos os Centros também passaram a oferecer o Programa Transcidadania (antes restrito à unidade Arouche, no centro da cidade).

Com isso, passou a integrar o desenvolvimento do trabalho focado na capacitação escolar e profissional, com oferecimento de cursos, oficinas, debates e palestras, visando o desenvolvimento dos beneficiários e beneficiárias que frequentam os Centros, além de ampliar o alcance do programa.

Serviço:

Centro de Cidadania LGBTI Luiz Carlos Ruas
Rua Visconde de Ouro Preto, 118 – Consolação
Segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
Telefone: (11) 3225-0019
centrodecidadanialgbt@prefeitura.sp.gov.br

Centro de Cidadania LGBTI Laura Vermont (Zona Leste)
Avenida Nordestina, 496 – São Miguel Paulista
Segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
Telefone: (11) 2032-3737
centrolgbtleste@prefeitura.sp.gov.br

Centro de Cidadania LGBTI Luana Barbosa dos Reis (Zona Norte)
Rua Plínio Pasqui, 186, Parada Inglesa
Segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
Telefone: (11) 2924-5225
centrolgbtnorte@prefeitura.sp.gov.br

Centro de Cidadania LGBTI Edson Neris (Zona Sul)
Rua São Benedito, 408 – Santo Amaro – São Paulo-SP
Segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
Telefone: (11) 5523-0413 / 5523-2772
centrolgbtsul@prefeitura.sp.gov.br

“Não apoio Bolsonaro”, diz Nego do Borel ao jornal O GLOBO

0

Pois é, depois de publicar no meu blog sobre o beijo gay do vídeo clipe do Me Solta, muitos comentários de gays dizendo que o cara era apoiador do Bolsonaro e isso já bastava para não apoiar sua iniciativa (o que respeito, fazer o quê?). Porém, depois da polêmica, o jornal O GLOBO foi atrás e conseguiu um depoimento exclusivo do cantor: “Não apoio o Bolsonaro. Esta foto foi tirada num jantar em que eu estava também, a pedido do filho dele. Não costumo negar tirar fotos com ninguém.

Se eu apoio um candidato político, um jornalista me faz uma pergunta, querendo confirmar se eu o apoio ou não, o que eu falo? Se eu apoio, digo que apoio. Se eu não apoio, digo que não apoio. E ele disse que não apoia. Se ele diz que não apoia, quem somos nós para dizer o contrário? Tá mas ele bate em mulher! Ok, li isso. E nada justifica essa agressão. Mas é querer continuar disseminando o ódio ao rapaz. Na mesma matéria do O Globo, ele disse que a ideia do beijo gay partiu dele. E como eu disse la no meu post, ele poderia ter feito o clipe e não dado aquele beijo de língua. Querendo ou não, seu vídeo/sua música será visto por milhares de pessoas por todo o mundo. É só um beijo? É, mas um beijo midiático. Não adianta querer desqualificar. Mas, cada um é cada um.

Lembram do Mateus Carrilho? O cara nunca disse que era ex-gay, e o pessoal nas redes sociais caiu matando. Ontem a noite ele postou isso no Twitter:

Então, quando vejo 3 milhões de LGBTs e amigos na maior Parada do Orgulho LGBT do mundo, vejo, também, quase (pois, ainda bem, nem todos!) 3 milhões de LGBTs e amigos alienados. É a militância de internet. É o mimimi. É a problematização. As vezes acho que estamos caminhando tanto pro meio digital que estamos nos tornando mais amargos, mais irracionais, nos bloqueando uns aos outros por opiniões diferentes. Ontem eu até bloqueie um cara que admirava (coisa que sempre critiquei!) pois o assunto era um e ele ficou insistindo em problematizar cada comentário meu. Veja bem, não o bloqueie por pensar o contrário de mim, o que mais faço é respeitar seja lá quem for, mas senti que ele queria, de fato, insistir em questionar, retrucar, problematizar algo que não precisava problematizar.

Como bem disse um antigo leitor meu, Abel Carvalho, o caso do Borel lembra o “pedantismo dos justiceiros sociais” do Jordan Peterson (vídeo abaixo). Algo que eu já sabia quando cursei minha primeira graduação (em psicologia), as pessoas tem graves problemas individuais há mais de 5 anos com um irmão, na sua família, ou outro parente (por exemplo), deveriam resolver (isso sim seria show de bola!), mas preferem resolver os problemas do mundo sendo o que já conhecemos como “militantes de internet”. Jogam suas frustrações não resolvidas no empenho de realizar grandes atos heroicos! Entretanto, não pesquisam, se baseiam no achismo e detonam qualquer um que acham que devem ser detonados. Ainda mais se outros também estão detonando.

Como eu disse, muita gente já me odiou por não ser um gay padrãozinho: monogâmico ou por expressar qualquer opinião contrária a heteronormatização. Acreditem, já fui muito mais agredido (inclusive por gays) por falar de relacionamento aberto, relacionamento poliamoroso e ateísmo. Isso porque não milito nestas áreas, apenas expresso meu modo de viver. Mais tolerância mundo. Até criticado por ter escrito livro de conto erótico gay, já fui. Sendo que nem tiveram o trabalho de ver que escrevo outros gêneros literários também (inclusive livros premiados). Sorte minha ter uma galeria de leitores linda, com muita gente que realmente curte e incentiva minha persona literária (inclusive, meu livro de contos eróticos gays é um dos que mais sucesso faz! Cada um gosta de um gênero! Ou de todos!), pra provar o contrário de muitas críticas desnecessárias.

Finalizando? Mais amor. Menos mimimi. Menos problematização. Vamos gozar mais. Transar faz bem para saúde. Talvez o problema também seja este (teorias para tanto desamor é o que não faltam!). Ainda vou publicar essa teoria do Wilhelm Reich (A função do orgasmo) no meu blog. Prometo. É, de fato, real.

Nego do Borel leva a Internet a loucura com seu beijo gay no clipe de “Me Solta”

0

Claro que os mimimis já começaram! Muitos dizem que o cantor Nego do Borel fez uma música e um clipe gay para pegar a onda dos LGBTs famosos. Que isso não é luta, que isso não é movimento, e por aí vai indo (como se o vídeo fosse pro LGBT: mas é só o video de um artista cantor). Gente, o cara beija outro cara na boca, de língua. Não é selinho! Tem que ter muita coragem e ser muito ousado pra fazer isso, e ainda sofrer as consequências dos fãs. Especialmente. Não que um beijo entre dois homens na mídia hoje seja lá grande coisa, mas ele poderia não fazer.

Então se ele está pegando onda ou não, ele também está mostrando para um monte de cantor e artistas machistas pelo mundo, que LGBT também é inclusão nos morros, no funk e claro, na vida! Se ele só tivesse querendo mídia, teria apenas se travestido e não beijado um cara: QUE, CÁ ENTRE NÓS, FOI LINDO.

E por mais que ele apoie o Bolsonaro (Parte alterada: segundo entrevista no O GLOBO, ele não apoia o Bolsonaro: “Esta foto foi tirada num jantar em que eu estava também, a pedido do filho dele. Não costumo negar tirar fotos com ninguém.“), devemos entender que ter um político como favorito ou gostos e opiniões, não reflete outras esferas de nossa vida. Muita gente, por exemplo, não concorda com o fato de eu ser gay, poliamoroso e ter uma relação aberta (que cito esses temas inclusive no meu romance gay chamado THEUS). Mesmo muita gente querendo que eu seja um gay padrãozinho, monogâmico e afins, me seguem. Não me odeiam ou me julgam por isso.

Mas essa é minha opinião, por isso está publicado no meu blog! Vamos ao clipe:

Nego do Borel (Leno Maycon Viana Gomes), tu arrasou. Eu, particularmente, gostei da batida, do clipe, do boymagia (embora eu ache o Borel magya, mas ai vou gerar mais mimimi por ai), do beijo e de você. E olha que nem fã sou.

Gofriendly é uma plataforma colaborativa de avaliação de lugares LGBT-friendly e trocas de experiências.

0
Gofriendly

A Gofriendly nasceu com o propósito de mudar o mundo, de torná-lo mais inclusivo, com mais respeito à diversidade. SIM, os idealizadores do projeto acreditam (e eu também) que isso seja possível a partir dos lugares que frequentamos, quando saímos com nossos amigos, namorado ou namorada, na nossa cidade ou quando viajamos. E como fazer isso? Simples, avaliando os lugares que você costuma ir ou aquele bar, restaurante, café ou hotel que você foi pela primeira vez.

Justamente por isso, um de seus idealizadores (Luiz de França) e com quem trabalhei junto por conta de alguns projetos na APOLGBT SP, criou com amigos um sistema de financiamento coletivo para que o www.gofriendly.co possa ser melhorado, expandido e utilizado por mais pessoas.

Para isso, precisa de sua ajuda e de uma breve contribuição. R$ 10 já ajuda. Mas pode ser mais. Para fazer sua doação, basta ir ao endereço: https://benfeitoria.com/gofriendly

28 de Junho: Orgulho LGBT. Orgulho de ser você mesmo, em qualquer lugar e para qualquer um.

0

“Orgulho de ser você mesmo! Em qualquer lugar e para qualquer um!” #28DeJunho. Dia Internacional do Orgulho LGBT. Visite meu blog e livros http://fabricioviana.com 🏳️‍🌈
.

.
#sejavocêmesmo #sejavocemesma #sejavoce #sejaautentico #blogueiro #jornalista #gaybrasil #gaybr #gaysp #spgay #gaysaopaulo #gaysampa #literaturalgbt #literaturaqueer #literaturagay #sejaautentica #ParadaSP #ParadaLGBT #OrgulhoLGBT #DiaDoOrgulhoLGBT #DiaInternacionalDoOrgulhoLGBT #psicologia #comportamento #sexualidade #diversidadesexual #segue #blogliterario #amoler #amolivros

VÍDEO: Assista agora, Fabrício Viana no Conexão Mulher sobre a homossexualidade

0

Pois é, para quem não conseguiu assistir ao vivo o programa Conexão Mulher, que foi ao ar em 12/06/2018, e que eu tive o prazer de ser entrevistado falando sobre a homossexualidade e meus livros, aqui está o link do programa inteiro (não da pra vincular na página, tem que clicar no link e assistir direto no Youtube, ok?):

https://www.youtube.com/watch?v=TbWOwAxkLkc&feature=youtu.be&t=5m50s

Para comprar meus livros, aqui:

http://fabricioviana.com/livros

Pabblo Vittar está indo para Los Angeles gravar a nova temporada de Rupaul’s

0
Não desmerecendo o trabalho de ninguém, mesmo porque cada um tem seu trabalho e seu público, mas publiquei uma nota aqui no meu blog tempos atrás informando que Pabllo Vittar passa RuPaul e se torna a Drag mais seguida no mundo!  O que a gente não esperava é que a drag brasileira fosse gravar com RuPaul em Los Angeles.


.

E não é conversa pra boi dormir. Sua assessoria mesmo postou no seu twitter oficial:

Ao que tudo parece, Vittar participará do programa como jurada. E a nova temporada deve entrar no ar em breve. Resumindo? No final, todas ganham. Orgulho enorme de Pabblo Vittar.

Vídeo: Literatura LGBT na Feira Cultural LGBT em São Paulo

0

Literatura LGBT: Feira Cultural LGBT no Vale do Anhangabaú dia 31/05 sobre a diversidade cultural. Na reportagem, falaram dos meus livros e também teve entrevista com diversos autores. Matéria da TVT. ASSISTA ao vídeo AGORA: https://youtu.be/oOwFYxla_Vk e compartilhem!

Para conhecer e comprar meus livros, visite:
http://fabricioviana.com/livros

#ParadaAoVivo Trecho com Fabrício Viana, assessor de imprensa da Parada LGBT de SP

0

Na semana da Parada é tanta coisa, tantos contatos, que não é fácil administrar e dar a devida atenção para todo mundo. Eu costumo brincar que, se não fosse careca, ficaria careca.

E isso porque eu só cuido da imprensa.

E mais, embora eu não seja porta voz da ONG (As pessoas acham que faço parte da diretoria, não faço! Apenas presto serviços de comunicação!), raramente quando precisam de alguém e esse alguém não está, eu acabo falando (modestamente falo bem: tenho discurso politizado). Só que não gosto. Já fui em mais de 30 programas de TV (principalmente por causa do meu primeiro livro O Armário, sobre a homossexualidade) e, já tem alguns anos que eu dispenso convites para me expor. Acreditem ou não!

Só que esse projeto de transmissão do Dia Estúdio pela Internet foi fantástico. E no momento que passávamos em frente na Paulista, pintou a possibilidade de visitá-los. Aproveitei e falei um pouco. E espero, realmente, que a diretoria da APOGLBT SP continue com essa super parceria de visibilidade digital. Afinal, muita gente não pode ir na Parada mas queria muito saber de tudo o que acontece lá. A última cobertura que me lembro, e sou velhinho, foi pelo Mix Brasil em um trio que eles cobriam todos os anos: mas via texto.

Enfim. Foi incrível. E aí está o trecho da minha fala. Enfatizando sempre o site da Parada e as redes sociais da ONG. Coisa que lutei para visibilizar desde o dia que comecei a prestar serviços de comunicação pra eles. E me sinto muito orgulhoso disso (as redes sociais deram um boom, muito, pelo meu esforço). E vamos que vamos!

Aproveita que você está aqui e assista a live com a Claudia Regina, presidente atual da APOGLBT SP. Muita coisa é abordada neste vídeo super bacana. Lembrando que a Claudia, o Nelson, Diego e muitos sempre foram pessoas queridas por mim muito antes de eu trabalhar com eles. E espero que seja assim pra sempre (trabalhando junto ou não). Afinal, a vida é muito curta pra não ter gente bacana ao lado. Beijo no coração de todos.

SENSE8: Atores estarão no Brasil na semana da Parada LGBT de São Paulo

0

Juntos até o fim… Especialmente no Brasil!

O cluster se reúne uma vez mais para sua última missão no episódio final de Sense8, e uma grande celebração deste lançamento será aqui, no Brasil, parte do calendário Pride Week da APOGLBT-SP

Sense8 Juntos Até o Fim, evento que combinará pré-estreia e ativação com os apaixonados fãs da série original Netflix, acontecerá dia 01 de junho, com a presença dos protagonistas Brian J. Smith, Jamie Clayton, Miguel Angel Silvestre, Tina Desai e Toby Onwumere.

Sobre Sense8 – Episódio final: Vidas pessoais são colocadas em segundo plano à medida em que o cluster, seus companheiros e alguns aliados inesperados se reúnem em uma missão de resgate e derrubada da OPB para proteger o futuro de todos os Sensates.

A conclusão da saga do cluster de Sense8 será revelada no lançamento global em 8 de junho, exclusivamente na Netflix.

As inscrições foram disponibilizadas gratuitamente e as vagas esgotadas em menos de 1 hora, 500 fãs cantarão junto com o cluster e assistirão ao episódio final.

Sobre Sense8: https://www.netflix.com/br/title/80025744

Literatura LGBT: 3º Bate-papo com Autores/Editoras na Feira Cultural LGBT dia 31/05

0

Tradicional encontro com autores e editoras de livros com temática LGBT ocorre pela terceira vez durante a Feira Cultural LGBT

Dia 31/05, durante a Feira Cultural LGBT no Vale do Anhangabaú em São Paulo, teremos o 3º Bate-papo com Autores/Editoras de Literatura LGBT.

Idealizado pelo jornalista e escritor Fabrício Viana, o 3º bate-papo contará com tendas onde diversos Autores/Editoras estarão expondo, vendendo e conversando sobre sua produção literária LGBT.

Com um público aproximado de 200 mil pessoas, esta é uma grande oportunidade para que todas as pessoas apaixonadas por livros com temática LGBT possam conhecer seus autores, editoras e comprar seus romances, crônicas, poesias, livros de não ficção, livros eróticos, entre outros gêneros literários e ainda conversar com seus autores/editoras preferidos.

A tenda de Literatura LGBT terá início as 10h da manhã e irá até as 22h do mesmo dia. Entre os autores/editoras, até o momento (15/05) estarão presentes (em ordem alfabética):

>> Alice Reis (WonderClub)
http://oamordealice.com.br

>> Fabrício Viana
http://fabricioviana.com/livros

>> Karina Dias
http://karinadias.com.br/

>> Léa Carvalho / Malu Santos (Editora Metanoia)
http://metanoiaeditora.com/

>> Paula Curi (Palavras, Expressões e Letras)
http://editorapel.com.br/

>> Silvano Sulzart
http://www.silvanosulzart.com.br/

>> Thales Frazão
https://www.facebook.com/thalesnas/

Temos ainda algumas vagas, se você é autor/editora e deseja fazer parte, por favor, entrar em contato o mais breve possível com Paula Curi pelo e-mail contato@editorapel.com.br (até dia 18/05)

SERVIÇO:

Literatura LGBT: 3º Bate-papo com Autores/Editoras de livros com temática LGBT
Dia 31/05 (feriado) – Feira Cultural LGBT da APOGLBT SP
Das 10h as 22h.
Local: Vale do Anhangabaú em São Paulo
Entrada gratuita
Link do evento: http://paradasp.org.br/literaturalgbt2018

TERMOS LGBTs: Manual em PDF para Jornalistas e profissionais de Comunicação

0

Novo Manual de Comunicação LGBTI+, lançado pela Aliança Nacional LGBTI+ e Rede GayLatino, destinado aos meios de comunicação, jornalistas e estudantes da área propõe: “Substitua preconceito por informação correta!”.

A publicação é destinada aos meios de comunicação, incluindo jornalistas e estudantes da área. Tem por objetivo contribuir para diminuir preconceitos e estigmas e colaborar para o melhor entendimento de termos que são recorrentes entre a população LGBTI+, mas que podem não ser usuais no dia a dia de profissionais e estudantes da Comunicação, a fim de contribuir para um jornalismo inclusivo.

A primeira parte do Manual contém definições, conceitos e fenômenos acerca das pessoas LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, intersexuais e outras identidades de gênero e sexualidade não contempladas na atual sigla adotada, representadas pelo “+”). Em seguida, o Manual traz alguns dos principais pontos históricos envolvendo a população LGBTI+, inclusive os avanços mais recentes em termos de reconhecimento dos direitos desta população no Brasil e no mundo, bem como considerações sobre as lacunas ainda existentes para que alcance a cidadania plena. Também informa sobre termos a serem evitados em comunicações sobre o tema LGBTI+, assim como pautas que podem ser de interesse de profissionais dessa área.

Este manual é resultado de um trabalho conjunto. Foram aproximadamente 300 sugestões e colaborações de especialistas, militantes, ativistas, associados das organizações envolvidas, autoridades públicas, professores, estudantes e profissionais da Comunicação, através de uma consulta pública com duração de dois meses. Além disso, esta obra é inspirada em manuais de comunicação LGBTI+ de organizações como a SOMOSGAY (Paraguai), a Colômbia Diversa (Colômbia), a GLAAD (Estados Unidos) e a ABGLT (Brasil).

Diversas parcerias foram importantes para a organização e divulgação deste material, entre elas, com a organização paraguaia SOMOSGAY em colaboração com o Fundo Robert Carr, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindiJor-PR), o Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Paraná, a Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas, a Associação da Parada do Orgulho GLBT do São Paulo, o Grupo Arco-Íris do Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Diversidade Sexual (IBDSEX) e a Comissão Especial de Diversidade Sexual do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Em especial, este manual conta com a parceria do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS), sendo prefaciado pela Diretora do UNAIDS no Brasil, Dra. Georgiana Braga-Orillard.

É uma obra que procura ser sucinta e fornecer informações práticas para consultas rápidas. Não se trata de uma obra acadêmica com aprofundamento nos temas e conceitos, mas sim de uma proposta de ferramenta para o dia a dia de profissionais e estudantes de comunicação. Eventuais sugestões de melhoria, inclusão ou exclusão de texto, bem como críticas, podem ser encaminhadas para o e-mail aliancalgbti@gmail.com para análise pelo Grupo de Trabalho e incorporação nas próximas edições. Lançamentos

As seguintes datas de lançamento já estão confirmadas:

DF, Brasília: 16 de maio de 2018, às 14h.  Senado Federal, Sala da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, Anexo II – Ala Senador Nilo Coelho

PR, Curitiba: 21 de maio de 2018, às 18h30. Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná, Rua José Loureiro, 211, Centro

SP, São Paulo: 22 de maio de 2018, das 18h30 às 21h. Novotel São Paulo Jaraguá, Rua Martins Fontes, 71, Centro

AL, Maceió: 25 de maio de 2018, às 9h. Assembleia Legislativa de Alagoas, Praça Dom Pedro II, s/nº, Centro

Ainda que a agenda de lançamento esteja em andamento, os profissionais da imprensa podem ter acesso ao manual por meio deste link.