“Onde compro seus livros?”

Destaque

livros-fabricioviana-escritor-gay

Como autor independente, escuto isso desde 2006. Como vivo dizendo, meus livros não são vendidos em livrarias. Você pode comprar on-line no site da Editora Orgástica. E pode confiar. É seguro. Lá é vendido O Armário (sobre a homossexualidade), Ursos Perversos (contos homoeróticos), Orgias Literárias da Tribo (premiada coletânea LGBT) e o meu grande sucesso Theus: Do fogo à busca de si mesmo (romance gay). Nunca leu nada meu? Sugiro começar pelo Theus! :-)

Caso você goste de e-book, e queira ler no seu PC, smarthphone ou tablet (ambos com iOS ou Android), basta ler o tutorial que criei ensinando passo a passo aqui: http://fabricioviana.com/tutorial

Você já é uma pessoa familiarizada com a plataforma Kindle? Melhor ainda. O link direto na Amazon é este: https://www.amazon.com.br/fabricioviana

Se você tiver dificuldades para comprar on-line, ou não queira a versão digital, você pode comprar APENAS nesta banca de Jornal que fica em São Paulo:

onde-comprar-livros-fabricioviana
Banca MastroRosa. Rua Dr. Vieira de Carvalho, 10. Praça da República em SP

O nome da banca de jornal é MastroRosa (foto acima), ela fica na Rua Dr. Vieira de Carvalho, 10, em frente ao bar Vermon (ao lado da Praça da República, no centro de São Paulo). Lá, basta procurar pelo Estevão (ele aceita cartão de débito e crédito). Ele é um cara muito gente boa. Quando meus livros acabam, ele me liga para que eu possa abastecer com mais. Detalhe: todos os meus quatro livros são vendidos lá! :-)

Bom, por enquanto é isso. Eu só tenho que agradecer aos amigos e leitores no Brasil (e no mundo!) que me acompanham desde 2006. Muitos enviam fotos com meus livros e eu, carinhosamente, publico todos na minha página de meus leitores. Se quiser, manda a sua também para o meu e-mail:

escritor-gayPara finalizar, aqui vai minhas redes sociais. Em um mundo onde estamos cada vez mais conectados, nada mais justo. Concordam? Tenho Facebook, Twitter, Instagram, Canal no Youtube e tudo o que tem direito. Porém, para mensagens mais importantes, utilizem o e-mail acima. Recebo muitas diariamente e vou respondendo conforme posso.

redes-sociais-fabricioviana-jornalista-escritor-psicologoMas chega de “tagarelar” e vamos ao link das redes sociais:

Facebook: http://facebok.com/FabricioViana.Escritor
Twitter: http://twitter.com/FabricioViana
– Instagram: http://instagram.com/FabricioViana.SP
– Youtube: http://youtube.com/FabricioViana
– Google Plus: plus.google.com/+FabriciovianaEscritorBrasileiro
– Wattpad: https://www.wattpad.com/user/Fabricio_Viana

SnapChat: “fabriciovianasp”

Compartilhar

Fanpage do Escritor: 10.000 curtidas na minha fanpage! Obrigado!

fanpage-escritor

E o milagre não para de acontecer no vale dos homossexuais! hahaha Minha página no Facebook bateu 10.000 curtidas hoje de amigos e leitores!

http://facebook.com/fabricioviana.escritor

Obrigado meus queridos! De coração! :-)

#Compartilhem: Precisamos nos livrar da Homofobia Internalizada!

fabricioviana-HOMOFOBIAINTERNALIZADA-youtubergay

No meu livro sobre a homossexualidade chamado O Armário, escrito em 2006, tem um capítulo onde falo sobre a Homofobia Internalizada. O que é e o quanto é importante que todos os homossexuais, até mesmo aqueles que são assumidos, se livrem totalmente dela. O tema  é tão importante que virou pauta do meu segundo vídeo, publicado no meu canal do Youtube. Quem puder, compartilhe nas redes sociais. Quanto mais gente tiver acesso, mais LGBTs saudáveis teremos no mundo! :-)

Para facilitar, segue vídeo incorporado. Assista:

.

E se inscreva no meu canal. Ajude, também, compartilhando em suas redes sociais:

https://www.youtube.com/fabricioviana

.

E-reader: Amazon lança dispositivo Kindle Paperwhite Branco!

kindle-paperwhite-branco-brasil

Como já disse uma vez nas minhas redes sociais, quando a Amazon lançou o dispositivo Kindle, no mesmo ano, fiz questão de importar o aparelho para o Brasil. Na época, uma das primeiras versões, custava em torno de 250 reais (já convertidos do dólar) mais as taxas de impostos, totalizando uns 500 reais ao todo. Motivo desta euforia? Havia lido que, diferente de um tablet, ele não usa LCD e sim tinta eletrônica, aumentando o contraste visual e sendo perfeito para leitura. Parecendo realmente um papel.

Não me arrependi. Ano seguinte comprei outro e dei de presente pro meu companheiro. Infelizmente ele usou muito pouco. Tem gente que gosta de ler muito (meu caso) e outros que nem tanto. Faz parte. Só sei que, de lá pra cá, o dispositivo ganhou luz interna (seu único problema era ler no escuro) e uma série de funcionalidades. Hoje eu tenho o Kindle Paperwhite que, embora o nome “white“, sempre foi preto. Porém, recentemente, a Amazon inovou e lançou o dispositivo realmente branco. E pelo jeito ficou lindo. Olha ele ai em cima!

O valor? Neste momento está em R$ 479,00 no site deles. Mas costuma variar muito. Mais ainda porque a Amazon sempre faz promoções (ou ainda sites no Brasil como Casas Bahia, Americanas, Magazine Luiza e afins)! E você pode não só colocar seus livros digitais nele (aqueles que você baixa em sites, que tenha direitos autorais públicos) como também fazer a compra no site da Amazon. Sem falar que, diferente de outros dispositivos como o Lev ou Kobo que, embora usem tecnologia semelhante de tinta eletrônica, a biblioteca de livros da Amazon é gigantesca! Justamente por isso optei por deixar disponível meus quatro livros impressos (O Armário, Ursos Perversos, Theus e Orgias Literárias da Tribo) também por lá! E não só eles, meus livros de psicologia e marketing, também.

Aliás, se você tiver interesse, fiz um tutorial ensinando como ler meus livros na plataforma Kindle. Isso mesmo. O Kindle, apesar de ser um dispositivo eletrônico, também se transformou – ao longo destes anos – em um aplicativo que pode ser instalado gratuitamente no smartphone, tablet ou PC (com sistemas operacionais Android, iOS, Windows ou Mac). Fantástico. Quem não tem, sugiro aprender a utilizar imediatamente o sistema. O tutorial que fiz esta neste link: http://fabricioviana.com/tutorial

E se você tem dúvidas se deve ou não comprar o aparelho Kindle, eu digo: se você gosta muito de ler, não pense duas vezes. Vai lá agora e compre. De preferência a “melhor versão”. Claro que tem a mais barata, sem luz, tudo é possível no universo da Amazon. Divirtam-se. E sem moderação quando o assunto é leitura, literatura e bons livros.

Ps: amo tanto a Amazon que ano passado fui convidado pela KDP para um curso de como escritores podem divulgar e vender seus livros na sede do Twitter, em São Paulo (sim, vai virar apostila no meu projeto Escrevendo e Vendendo Livros, aguardem!):

Sobre meu livro de contos eróticos. Gays. Ursos Perversos.

ursosperversos-gaysComo gosto de escrever, vou contar algumas coisas sobre meu livro de contos eróticos gays chamado Ursos Perversos. Curiosidades que, nem em entrevistas, tive oportunidade de dizer. Mas que, de fato, são interessantes. Mas, como gosto de tudo explicadinho, vamos do início.

Após escrever o livro sério e respeitado sobre a homossexualidade chamado O Armário, mais ou menos após 6 anos, um amigo – também autor de livros com temática LGBT – comentou em um almoço que gostaria de escrever literatura erótica. Mais especificamente contos eróticos gays. O tempo passou e eu fiquei com aquilo na cabeça. Após meses, lembrei que outro amigo havia começado a fazer festas em São Paulo de Ursos (homens gays grandes, peludos e/ou barbados). Do nada, resolvi juntar as duas coisas. Pensei, acho que consigo escrever contos eróticos e mais, com personagens bears. E como conheço muita gente, vou ampliar o convite deste projeto literário e chamar mais alguns amigos escritores.

Até o momento, devo confessar, eu não fazia parte do universo ursino brasileiro. Nem me interessava por ursos e nem me considerava ser um urso. Mas me comprometi a escrever contos eróticos com personagens bears. Mesmo porque, ursos ou não ursos, eram todos homens e o que mais importava no conto erótico era, de fato, a tal sacanagem. Mas não a pornografia explicita. Um bom conto erótico, no meu ver, é constituído de uma boa história. Nada muito literário mas nada também “debochado”. Tem que ter seu refinamento e, melhor, aos poucos, levar o leitor ao êxtase de uma leitura erótica. Literatura erótica de boa qualidade, no meu ver (é bom repetir!), é isso. Você não pode ser pornográfico e não pode ser literário ao extremo, tem que ter o meio termo e fazer o leitor vivenciar aquele conto com prazer erótico.

ursos perversos - contos eróticosO projeto durou meses. O livro, com 120 páginas, formato 14x21cm e mais 6 autores na versão impressa hoje é um verdadeiro sucesso. O mais interessante é que eu, que não conhecia nada do universo ursino brasileiro, de tanto escrever contos eróticos gays com ursos, comecei, naturalmente, a olhar para homens gays considerados ursos no meu dia a dia. Em especial os “muscle bears“. Mas ai, é gosto pessoal, já que entre as classificações existem diversos tipos (e para todos os gostos!). Vários outros leitores me confidenciaram que, antes de ler Ursos Perversos, também não tinham interesse por bears. Mas que, após a leitura, começaram a olhar com olhos mais desejosos para este público. Interessante não? Mexer com a fantasia humana. Com os desejos mais sensuais e eróticos. Acho que, de fato, consegui.

Claro que, no lançamento e nos meses seguintes do Ursos Perversos, eu contava – realmente – com uma grande ajuda da comunidade ursina brasileira. Ledo engano. Gays não são unidos. Eu já sabia disso. Mas com este projeto literário, percebi que os ursos são mais desunidos ainda. Uma pena. Claro que falo no geral. Tive, felizmente, alguns apoios fantásticos, de alguns veículos especializados que entenderam minha arte literária bear.

Com o tempo, leitores de Ursos Perversos começaram a aparecer (inclusive leitores mulheres, casadas com homens) e alguns começaram a me confundir com um urso. Ou como um admirador de urso. Na verdade, eu nunca me importei com as “classificações”. Como eu disse, o conto erótico, e isso esta presente em Ursos Perversos, deveria ter a capacidade de excitar meu leitor homem e gay. As classificações, de fato, não eram tão importantes (embora a especificidade do projeto literário e seus personagens). Deixo esta parte para os militantes gays ursinos que existem e que, como alguns outros militantes de outras áreas, alguns podem ser tão neuróticos ou problemáticos quanto. Fazer o quê? Minha formação diz que nem tudo deve ser encaixotado. Somos diversos. Mas, sim, a comunidade ursina existe. Gays que se consideram ursos também. E seus admiradores, mais ainda. Hoje eu sou uma mistura de tudo. Mas não gosto dos rótulos. Se um leitor me chama de urso, na visão dele, eu sou. Eu já chamei pessoas de “ursos” e não gostaram. Aprendi, no dia a dia, que somos realmente diferentes (cada ser humano é de fato, único). E isso, ao contrário do que se imagina, é muito legal.

Hoje em dia, eu percebo que, quem compra e lê meu livro Ursos Perversos, geralmente, não gosta dos meus outros livros. E vice-versa. E tem uma explicação lógica para isso. Todos os meus quatro livros escritos e publicados até o momento são distintos. Tem o livro O Armário que fala sobre a homossexualidade e os processos psíquicos de entrada e saída do armário. Tem o Ursos Perversos que é, de fato, literatura homoerótica de boa qualidade. A coletânea de contos, crônicas e poesias chamada Orgias Literárias da Tribo e meu recente sucesso, o romance gay Theus: do fogo à busca de si mesmo. Além de meus outros escritos fora da comunidade LGBT. É verdade, também escrevo sobre psicologia, marketing e tenho um projeto que ajuda pessoas “normais” a se tornar escritor (site www.escrevendoevendendolivros.com.br)

Mas voltando pros Ursos, o que eu percebi, enquanto escritor, é que eu tenho – de fato – facilidade em escrever textos eróticos. Daqueles de tirar o fôlego. E com isso, pretendo – de verdade – me aventurar muito em literatura erótica. Mais ainda. Até o Theus, que é um romance, tem algumas partes bem picantes (os leitores acham, eu não) onde muitos acabam ficando excitados. Me dizem que o Theus tem um pouco de tudo, erotismo, drama, humor e principalmente, amor.

Por essas e outras, eu reforço. Teremos sim Ursos Perversos 2 e vários outros livros de literatura homoerótica que pretendo lançar nos próximos anos. Junto com outros trabalhos. Acredito que contos eróticos alimentam nossas fantasias e nos permitem vivenciar, por meio da história dos outros (ficção ou não), experiências que não conseguiríamos ter em nosso limitado dia a dia. Alguns leitores, e são raros (ainda bem!), passam dos limites e acham que eu sou “tudo aquilo” que conto nos contos, mesmo com personagens que não tem nada a ver comigo. Mas é algo que aprendi a lidar. Amo sexo e sexualidade, mas não sou tão sexo e sexual como imaginam que eu seja. Ou até seja, mas não com todo mundo. Só que esta é uma discussão para outro momento.

Eu só desejei, neste texto, falar um pouco deste meu segundo livro que tenho muito carinho. E que, pasmem, já fui criticado por pessoas: “Nossa, você escreveu um livro de contos eróticos?” Me depreciando mesmo. Outro, que escutei “Mas um livro de contos eróticos, qualquer um escreve!”. Então fulano, escreve um. Pensei. Mas não falei. Quando você ama a arte literária, se expõe, é normal ter críticas. Não tem jeito. Porém, se você não aparecer, não vai encontrar pessoas “iguais” e que gostam, assim como eu, de literatura erótica. Literatura erótica de boa qualidade. É bom frisar isso. Não é qualquer literatura que gostamos. Tem que ter seu refinamento, sempre!

Para terminar, o que sempre me perguntam, onde posso comprar o Ursos Perversos. Bom, ele é vendido apenas no site da Editora Orgástica, neste link http://editoraorgastica.com (a editora entrega para todas as regiões do Brasil em envelope discreto) e a versão digital, na Amazon Brasil, neste aqui https://www.amazon.com.br/dp/B00OB4ITMC Tanto no site da Editora quanto na Amazon, tem alguns depoimentos de leitores. Não muitos. Afinal, embora um dos mais vendidos (perdendo apenas pro meu romance THEUS), pouca gente comenta publicamente que gostou dele (geralmente me mandam e-mails). Estamos no Brasil, reino do sexo. Mas também, da hipocrisia.

Um beijo no coração de todos.

Ps: editado após publicação: amo tanto literatura erótica que comecei a escrever “O Poderoso Priapo: Suas Mulheres e Seus Homens” no Wattpad. Sim, um livro erótico com protagonista bissexual. Enquanto escrevo, a leitura é gratuita, mas tem que criar conta e me seguir lá para ler conteúdo adulto: https://www.wattpad.com/user/Fabricio_Viana

Meu Canal no Youtube. Se inscreva!

fabricioviana-escritor-lgbt-youtubergay

Pois é, agora tenho um Canal no Youtube. Vou falar de coisas que gosto: literatura, sexualidade, psicologia, comportamento, literatura LGBT, amor, sexo e muitas outras coisas. Vai lá agora, clica em “joinha”, se inscreva no canal e deixei seus comentários. O link do vídeo de apresentação (tem apenas 6 minutos), é este aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=4g86bMeBmOw

Ou, se preferir, assista agora mesmo:

Só não esquece de se inscrever no canal, tá? Em apenas 3 dias tem mais de 700 inscritos! Link:

http://youtube.com/fabricioviana

Como eu gravo apenas nos finais de semana, e dá trabalho editar, vou tentar pelo menos um vídeo novo a cada 15 dias. Tá? Afinal, além dele, tem meu trabalho semanal (trabalho em uma ONG como jornalista, amo!) e estou desenvolvendo um projeto pessoal http://escrevendoevendendolivros.com.br Que irá ajudar as pessoas a escreverem e a venderem seus livros. Obviamente! Um beijão a todos! E obrigado pelo carinho de sempre! :-)

Curiosidade: Por que barriga verde para quem nasce em Santa Catarina?

Nasci em Blumenau/SC mas moro em São Paulo há anos. Uma expressão comum dada as pessoas que nasceram em Santa Catarina é “barriga verde”. Eu nunca entendi o motivo. Mas como um bom escritor e jornalista, achei o motivo da expressão. E tem ligação com a imagem abaixo:

escritor-barriga-verde

As pessoas nascidas em Santa Catarina são apelidadas de “barriga verdeporque, no século XVIII, os soldados do Regimento de Infantaria de Linha da Ilha usavam uma faixa verde sobre a barriga como acessório. Este era motivo de orgulho para seus habitantes.

Mistério desvendado. Vai me dizer que você já sabia dessa? Sei…

Minhas Redes Sociais

redes-sociais-fabricioviana-jornalista-escritor-psicologoInfelizmente não tenho tempo para alimentar tantas redes sociais. Porém, como alguns leitores e amigos pedem, até o momento, as que dou mais prioridade, são estas daqui:

Facebook: http://facebok.com/FabricioViana.Escritor
Twitter: http://twitter.com/FabricioViana
– Instagram: http://instagram.com/FabricioViana.SP
– Youtube: http://youtube.com/FabricioViana
– Google Plus: plus.google.com/+FabriciovianaEscritorBrasileiro
– Wattpad: https://www.wattpad.com/user/Fabricio_Viana

SnapChat: “fabriciovianasp”

Myke Fonseca fala sobre meu livro homoerótico URSOS PERVERSOS

livro-homoeroticoMyke Fonseca fala sobre meu livro homoerótico URSOS PERVERSOS no seu canal Programa de Urso no Youtube. Um dos comentários dele, e que escuto com frequência, é sobre a minha escrita muito peculiar: por ter formação em psicologia, meus textos sempre acabam abordando assuntos mais sérios. Até mesmo dentro da literatura erótica. Tanto que meu romance gay chamado THEUS é bastante elogiado por conta disso.

Vamos ver o vídeo? Aproveita e se inscreve no canal dele.

Para quem deseja ler meu livro URSOS PERVERSOS, ele é vendido aqui (versão impressa) http://editoraorgastica.com e vendido aqui (versão digital): https://www.amazon.com.br/dp/B00OB4ITMC

Literatura Gay: Fabrício Viana no 2º Agita Caetano da Diversidade!

agita-caetano-diversidadePelo segundo estarei com uma tenda de Literatura LGBT no Agita Caetano de Diversidade, em São Paulo, neste domingo (15). O evento começa as 12 e vai até as 18h! Estarei com meus quatro livros: O Armário (sobre a homossexualidade), Ursos Perversos (contos eróticos gays), Orgias Literárias da Tribo (coletânea LGBT premiada duas vezes em 2015) e meu recente sucesso THEUS (romance gay).

Agradeço o Grupo União Arco-Íris São Caetano do Sul, em especial ao Morango, pela oportunidade e carinho. E também deixo claro que são graças a estas atitudes é que conseguimos, juntos, levar a Literatura LGBT e torná-la visível sempre que possível (o que, de fato, não é nada fácil).

O evento, gratuito, conta ainda com shows de drags renomadas da noite paulistana e do ABC, tendas, campeonato de vôlei e futebol gays através do CDG, Go Go boys, Go Go Girls e atividades do Programa DST/AIDS municipal. Quem puder, apareça! Novamente, estarei com todos os meus livros lá!

Serviço:

2º Agita São Caetano Da Diversidade
Data 15/04/2016 / Horário: das 12 as 18h
Av. Fernando Símonsen, 566 – Cerâmica, 09540-230 São Caetano / SP
Link do Evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/946582945457082

Meu romance gay THEUS foi indicado ao Prêmio de Literatura LGBT PapoMix

premio-literatura-lgbt

Recebi, com muita alegria, um comunicado dizendo que meu romance com temática gay chamado Theus foi indicado ao Prêmio de Literatura LGBT 2016 do PapoMix. Fiquei mega feliz. Não só pela indicação, mais pelo Theus ser, de fato, um romance bem diferente e que anda agradando muitos leitores.

Tanto é que fiz uma página com alguns depoimentos que colhi na página da Editora e também na Amazon sobre ele. Se quiser dar uma olhada, o link é este aqui:
http://fabricioviana.com/quem-ja-leu-o-livro-theus-e-bom-vale-a-pena/

Mas, para que o Theus ganhe o prêmio neste ano, preciso que todos os meus amigos e leitores entrem no link abaixo e votem nele! A votação vai até o dia 21 de Maio. Então, corre:
https://docs.google.com/forms/d/1QePVZabT3a5V-vNp2aLHW2mzEtoCpLTLF9DReWLU4NI/viewform?embedded=true

A parte boa é que, mesmo que o Theus não ganhe, só pelo fato dele ser indicado já dá uma grande visibilidade. Isso é muito bom. Pois ele já vem fazendo um sucesso absurdo sem o prêmio, agora então, melhorou bastante. Lembrando que eu já tenho um livro premiado pelo PapoMix em 2015, que é o Orgias Literárias da Tribo (coletânea LGBT). Alias, ganhei também em 2015, o prêmio da APOGLBT, ONG responsável pela maior Parada do Orgulho LGBT do mundo. Em outras palavras, quando você ama escrever e tem qualidade, os prêmios acabam aparecendo naturalmente. E vamos que vamos! :-)

 

Qual a data da Parada Gay de São Paulo? Parada LGBT?

DATA-PARADA-GAY-LGBTComo autor de quatro livros com temática LGBT (O Armário, Ursos Perversos, Orgias Literárias da Tribo e meu romance gay chamado THEUS), sempre acabo recebendo mensagens perguntando quando será a parada gay de São Paulo. Claro que existe uma grande discussão sobre o termo, se é “parada gay“, “parada LGBT“, “parada do amor“, e por aí vai indo. Eu, particularmente, nunca gostei dos termos. Acho que é uma parada de visibilidade da diversidade, onde se luta por direitos específicos que não temos.

Em todo o caso, se você caiu aqui no meu blog querendo saber sobre a data da parada gay, anote na agenda. Neste ano (2016), ela será realizada no dia 29 de Maio (domingo), começando na Avenida Paulista por volta das 10h, com saída dos carros as 14h.

Aproveitando sua visita, caso queira conhecer meus livros, eles podem ser adquiridos no site da Editora Orgástica, apenas neste link: http://editoraorgastica.com/fabricioviana

Minhas redes sociais:

Facebook https://www.facebook.com/fabricioviana.escritor
Twitter https://twitter.com/fabricioviana
Instagram https://www.instagram.com/fabricioviana.sp/
Youtube https://www.youtube.com/user/fabricioviana
Wattpad https://www.wattpad.com/user/Fabricio_Viana
Google Plus https://plus.google.com/+FabriciovianaEscritorBrasileiro

.

Rogério Munhoz convida: 40 anos na The Week São Paulo

rogeriomunhoz

Rogério Munhoz é um querido de longa data. Quando eu escrevia artigos para a revista G Magazine ele já era colunista. Foi lá que nos conhecemos. Um lutador nato. Ele irá comemorar seu aniversário agora, dia 17 de Maio, domingo, na The Week em São Paulo.

Para confirmar sua presença no Facebook, o link é: https://www.facebook.com/events/450460521819537/

Lá no link do evento, o Rogério disponibilizou uma lista de convidados VIP. Mas entre lá agora mesmo e coloque seu nome e de seus amigos. Não sei por quanto tempo esta lista ficará liberada. Mas fico feliz por ele comemorar seus 40 anos em um lugar tão bom. Sinergia perfeita entre os dois.

E a você, Munhoz, meu querido de longa data, muitas desejo saúde e muitas felicidades! 40 anos é uma idade de maturidade. Mais dois anos e eu também entro nela. Ai ai ai. Beijos no coração.

Qual a diferença de um livro que está na 1ª, 2ª ou 3ª edição?

primeira edicaoAs vezes recebo mensagem de algum futuro leitor falando, quero comprar seu livro O Armário, ou o romance gay chamado Theus, mas eles estão na terceira edição. Quero comprar a primeira, a segunda e a terceira. Preciso ter todas as edições.

Daí, com toda a paciência do mundo, eu explico. O livro é o mesmo. E as edições funcionam mais ou menos assim: quando um autor ou editora lança um livro, ele manda imprimir na gráfica uma quantidade de exemplares (normalmente, 1.000 livros). Essa primeira impressão é chamada de “Primeira Edição”. Quando os livros se esgotam, o autor ou a editora precisa imprimir mais livros, essa segunda impressão é chamada de “Segunda Edição”. Quando essa segunda se esgota, é impressa outra quantidade, a “Terceira Edição”. E assim vai indo.

Porém, a quantidade de impressões varia. Pode-se, na primeira edição, imprimir 1.000 livros. Na segunda imprimir 2.000 e na terceira edição, imprimir 5.000. Ou ainda, pode-se imprimir apenas 100 livros na primeira edição, 500 na segunda ou menos ainda. Tudo é muito relativo. Vai depender do tamanho das vendas e da editora ou autor. O que temos que entender é que:

Quando é impresso uma nova edição, o autor ou a editora tem a chance de modificar algumas pequenas coisas: mudar a capa, arrumar alguns erros de gramática ou grafia, incluir ou excluir partes, etc. Tudo para melhorar a edição. Assim, presume-se que, quanto mais edições tiver o livro, mais ele foi “revisto”. Então, existe uma diferença de qualidade entre um livro de alguém que tenha a primeira edição e o mesmo livro, de alguém que tenha a terceira edição.

Logo, o conteúdo sempre será o mesmo. Ninguém precisa ter todas as edições. Mesmo porque, se a editora ou o autor mandou fazer uma nova edição, significa que as anteriores não existem mais para a venda.

Entenderam? Se tiverem mais dúvidas, avisem. Eu também não sabia destas coisas antes de entrar pro mercado editorial.

O que eu achei sobre o documentário BICHAS?

Sempre que lançam alguma coisa sobre a homossexualidade, saída do armário ou ainda outros temas polêmicos que eu adoro, como relacionamento aberto, recebo muitas mensagens privativas pelas redes sociais indicando para assistir. As vezes não dou conta e coloco em uma lista de “tarefas”. Porém, nunca um documentário foi tão recomendando como o BICHAS e que acabo de assistir.

bichas-documentario

Os depoimentos em si, não são nenhuma novidade, como descrevo um pouco da minha vida no livro O Armário (sobre a homossexualidade), minha história e a de muitos homossexuais não tem nada de “especial” ou muito diferente um dos outros, porém, graças a elas que muitos criam coragem para viverem também suas vidas, de forma plena e satisfatória. Foi exatamente isso que senti do documentário, embora alguns tenham um discurso mais politizado, o vídeo serve para ajudar muita gente a se aceitar. E só por isso ele já se torna fantástico (além da desconstrução ruim do termo “bichas”).

Vamos assistir?

Depois me diga o que achou nos comentários! :-) Parabéns aos criadores e personagens reais dessa vida nada fácil. E que venham muitos outros.

Educação sexual na televisão pública da Noruega

sexualidadehumanaQuando eu comecei a pesquisar sobre a homossexualidade para escrever meu primeiro livro (chamado O Armário, em 2006) eu descobri algo muito interessante: o problema da homossexualidade é muito maior do que imaginamos. Não é só da homossexualidade e sim da sexualidade humana. Nós não sabemos e não falamos sobre sexo, muitas famílias jogam o “problema” para a escola e a escola joga de volta pra família. Resumindo, os pais acabam passando aos seus filhos tudo aquilo que sabem: quase nada.

E esse problema é real. Se não sabemos nada sobre sexo, imagina sobre a homossexualidade? Que ainda por cima sempre foi condenada pela maioria das religiões (e, durante muito tempo, pela própria ciência)? Mas este não é o tema deste post, quem se interessar, falo mais sobre no meu livro. Eu só quero alertar para algo importante: por mais que você seja uma pessoa estudada, que acompanha meus escritos e compartilha das mesmas ideias, saiba que a população em geral não. Por isso eu, ao ler sobre essa notícia em um site, resolvi comentar aqui. Pois achei fantástico!

O canal NRK, emissora pública norueguesa, exibiu uma mini série de oito episódios no qual são explicados, sem pudores e de forma bem didática, o período da puberdade. Tópicos como crescimento, alterações na voz, aparecimento de pelos no corpo, reprodução e sexo estão disponíveis para crianças e jovens por meio de uma linguagem bem direta.

“Queremos ser claros, portanto, para ilustrar como o corpo de uma criança se torna num adulto, usamos modelos reais”, diz Erling Normann, responsável pela produção.

E ele complementa, como se trata de um programa para crianças, evitamos qualquer tipo de conotação sexual. O mesmo aconteceu, por exemplo, com o livro infantojuvenil que aborda a homossexualidade da minha amiga e escritora Marli Porto. O livro, que eu editei e prefaciei chamado BEM-TE-VI, é incrível justamente por sua sutileza.

Ainda assim, já escutei de pais que se sentem constrangidos ao estarem com seus filhos em frente a uma TV onde a cena de um beijo entre um homem e uma mulher na novela parece nunca ter fim. Caso típico de gente que não lida bem com sua própria sexualidade. Alias, um dos meus artigos “Uma criança pode ver dois homens se beijando” ainda é um dos mais lidos em um portal parceiro. Quem puder, leia!

Por estas e por outras eu insisto em dizer: precisamos de mais educação sexual. Menos gente neurótica e mais prazer nesta vida que, infelizmente, é finita (independente de suas crenças). Agora reflitam sobre. Um beijo no coração de todos!