Início Site

Onde comprar meus livros?

0

Muita gente me pergunta: Onde compro seus livros? Eu explico detalhadamente como você pode ler qualquer livro meu na versão digital (usando o aplicativo Kindle no Android, iOS ou computador) ou na versão impressa (comprando pela Bons Livros Editora Digital). Tudo neste link (vai lá agora!): http://fabricioviana.com/livros

Livro A Noite das Faquiresas – Faquirismo e Feminismo, de Alberto de Oliveira e Alberto Camarero

0

O evento A NOITE DAS FAQUIRESAS – FAQUIRISMO E FEMINISMO acontecerá no Bar e Espaço Cultural Presidenta, na Rua Augusta, 335, no dia 24/02, um sábado, às 20h.

Esse evento tem como ponto de partida o livro “Cravo na Carne – Fama e Fome: O Faquirismo Feminino no Brasil”, de Alberto de Oliveira e Alberto Camarero, publicado pela editora Veneta, resultado de uma pesquisa histórica sobre as faquiresas brasileiras, mulheres transgressoras que enfrentaram a sociedade machista de meados do século XX e apresentaram-se em exibições de resistência física, enfrentando a fome (jejuavam durante dezenas de dias expostas ao público) e a tortura de pregos, cacos de vidro, crucificação e a companhia diária de serpentes vivas.

No dia 24/02, acontecerá no Presidenta um bate-papo dos Albertos com Auta Messias, a faquiresa Najja, muito conhecida no Brasil no final dos anos 1960 pelas provas em que exibia-se jejuando crucificada; a cineasta e atriz Helena Ignez, que está escrevendo o roteiro de um filme sobre esse tema – “Relatos de uma faquiresa” – e a performer Verônica Veloso, falando sobre a relação entre Faquirismo e Feminismo e a importância da transgressão das faquiresas em seu tempo.

Nesse dia, também vai acontecer a performance “A Carne”, um estudo da interface entre o Faquirismo feminino e algumas performers feministas, pela Confraria das Malvadas, formada por Beatriz Cruz, Bruno Caetano, Inês Bushatsky, Paula Klein, Rafael Bicudo e Verônica Veloso.

Serviço:

Lançamento do livro A Noite das Faquiresas – Faquirismo e Feminismo
Autores Alberto de Oliveira e Alberto Camarero
Data 24/02 às 20h
Local Bar e Espaço Cultural Presidenta, na Rua Augusta, 335 – São Paulo / SP
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/562195250811653
Blog https://cravonacarnefamaefome.blogspot.com.br/

Gus Kenworthy: “Namorar dentro do armário é uma tortura”

0

Quem leu meu livro sobre a homossexualidade e os processos psíquicos presentes na “entrada” e “saída do armário”, chamado O Armário (versão digital ou impressa), sabe exatamente o que sente o esquiador freestyle Gus Kenworthy.

Vencedor da medalha olímpica, Gus virou manchete ao voltar às Olimpíadas de inverno em Pyeongchang na Coréia do Sul. Em uma entrevista, ao olhar para trás quando ele estava dentro do armário, ele disse “Namorar no armário é uma tortura”. E é mesmo!

“É uma das coisas mais difíceis, especialmente se você está completamente fechado. E eu estava, então eu não tinha ninguém para conversar se algo no relacionamento me incomodasse ou se eu precisasse desabafar”.

Em outro momento, ele disse também sobre sua relação com o primeiro namorado:

“Quando eu comecei a ver meu primeiro namorado, alguns dos caras da indústria disseram merda, porque de repente começamos a passar muito tempo juntos”, disse ele.

“Mas havia um esquiador que diria realmente merda, comentários realmente grosseiros. Na verdade, era apenas um assédio moral”.

Depois que ele saiu para o mundo, Gus diz que recebeu um telefonema do esquiador homofóbico: “Ele foi engasgado e disse:” Desculpe, eu não sabia o tempo todo, e se eu soubesse, não teria dito nada”, ele me fez chorar”.

Gus está agora em um relacionamento com o ator Matthew Wilkas e espera que sua abertura sobre sua sexualidade e vida amorosa inspire uma futura geração de atletas. Exatamente o que eu fiz quando escrevi meu livro O ARMARIO. Minha impressão é que, sofremos tanto dentro de um armário que, quando saímos e notamos que a vida pode ser repleta de felicidades, queremos realmente mostrar isso ao mundo e ajudar, sempre que possível, mais e mais pessoas a se assumirem e serem felizes.

Aliás, até hoje, em diversos lugares que eu vou, muita gente me para nos lugares e diz que quando mais novo leu meu livro O Armário e, graças a ele, tem uma vida mais feliz e digna. Que o livro realmente ajudou muito. E continua ajudando. Aliás, tem 11 anos que escrevi ele, imagina a quantidade de leitores que eu tenho pelo mundo!

Dia 17/02 o Bloco da Diversidade vai agitar São Paulo no Carnaval 2018!

0

Bloco da Diversidade é um dos tradicionais blocos LGBTs da capital paulista.

Pelo quinto ano consecutivo, o Bloco da Diversidade, organizado pela APOGLBT SP (ONG responsável pela maior Parada LGBT do mundo), estará nas ruas de São Paulo levando alegria e diversão com todas as cores da diversidade humana!

Para quem não sabe, o Bloco da Diversidade foi criado em 2014 com a proposta de levar para as ruas no Carnaval de São Paulo a voz da população LGBT, que mesmo nessa época festiva e diversa também sofre preconceito e exclusão. Por entender que o Carnaval é uma forma de Manifestação Cultural e Social, a APOGLBT SP criou o Bloco da Diversidade.

Nos seus primeiros 04 anos o Bloco da Diversidade levou para as ruas sempre uma mensagem positiva de inclusão e respeito: no Bloco da Diversidade não aceitamos qualquer tipo de preconceito, seja de cor, raça, sexo, gênero e até mesmo de credo religioso.

Esse ano o Bloco da Diversidade completa cinco anos de existência, e você e todos os seus amigos e familiares são nossos convidados para participar de um dos melhores blocos LGBT de São Paulo! Venha brincar seu #Carnaval ao som das marchinhas de carnaval, samba, axé, funk melody, MPB, sertanejo, música eletrônica e muito mais! O Bloco da Diversidade toca todos os ritmos, por entender que somos brasileiros e temos uma diversidade musical muito grande e que essa diversidade nos representa e nos torna diferentes!

Evento oficial no Facebook:
https://www.facebook.com/events/179589919305360/

Trajeto:

Largo do Arouche, Av. Vieira de Carvalho, Praça da República, Av. São Luiz, Rua Coronel Xavier de Toledo, Rua Conselheiro Crispiniano, Av. São João, Av. Ipiranga, Praça da República, Av. Vieira de Carvalho e retorno ao Largo do Arouche.

Vídeo do ano passado:

Serviço:

Bloco da Diversidade 2018
17/02 a partir das 17h30 (término as 22h)
Concentração Largo do Arouche
Organização: http://paradasp.org.br/

Príncipe gay indiano transforma palácio em abrigo para LGBTs sem-teto

0

Filho do marajá Rajpipla, o príncipe Manvendra Singh Gohil, morador de Gujarat abriu seu palácio para abrigar LGBTs sem-teto.

Localizado em Gujarat, um estado oeste indiano, o terreno separado para os moradores LGBTs vulneráveis tem quase 61 mil metros quadrados. O feito se torna mais notável ainda quando sabemos que na Índia a homossexualidade ainda é considerada crime.

Para quem não se lembra, em 2006, Gohil se tornou conhecido mundialmente após assumir sua homossexualidade a família real indiana. Na época ele foi desprezado por parte da família mas, mesmo assim, não se deixou abater. Foi nesta mesma época que ele fundou uma organização chamada Lakshya Trust, que apoia homossexuais e ajuda a população a ser educada na prevenção de doenças e infecções sexuais, como o HIV.

“Percebi que sentia atração por pessoas do meu próprio gênero aos 12 ou 13 anos, quando comecei a amadurecer sexualmente”, contou Gohil ao jornal Internacional Business Times. “Eu sentia que era diferente dos outros garotos, sentia um conflito interno, mas não entendia que era gay.”

Segundo ele, essa intolerância com a homossexualidade em seu país é fruto da colonização britânica. Afinal, na cultura indiana tradicional, pessoas trans ainda são vistas como pessoas iluminadas. Porém, a homossexualidade consta no artigo 377 do código penal, que condena toda atividade sexual que vá contra a “ordem natural”. Como se essa ordem, de fato, existisse.

Para Fabrício Viana, jornalista, bacharel em psicologia e autor do livro sobre a homossexualidade chamado O Armário, “Muitos países ainda condenam a homossexualidade. Muita destas condenações são frutos de um resíduo histórico das diversas religiões que condenam qualquer prática sexual onde o semen é desperdiçado. Já a ciência sabe que a homossexualidade não é um problema, e sim mais uma vertente sadia da sexualidade humana. Espero que algum dia estas religiões percebam o grande mal que causam aos seres humanos, em especial, as pessoas LGBTs”, comenta Viana.

Na entrevista, Gohil termina dizendo que, no seu abrigo, ele deseja oferecer condições para que estas pessoas LGBTs tenham um empoderamento social e financeiro, para que sejam capazes de saírem do armário.

Publicado originalmente no site da Parada LGBT de SP

 

#ReserveAgora! 5ª edição do meu romance homoafetivo THEUS

0

.

EDITADO EM 26/01/2018: Foram mais de 350 pedidos do livro só nestes dias. Meu muito obrigado. Os livros serão postados no correio ainda hoje. Para quem quiser, pode comprar a versão impressa diretamente no Site da Editora ou a versão digital na Amazon. 🙂  

.

=============== texto antigo abaixo ==============

Leia tudo, ok? É pouco texto! 🙂

Muita gente estava triste pois não conseguia mais comprar a versão impressa do meu quarto livro, o romance homoafetivo chamado THEUS (apenas a versão digital aqui). Realmente, é um dos livros que esgotam muito rápido e, por isso mesmo, a quarta edição acabou há alguns meses. Se você não conhece e quiser ler a sinopse, clique aqui (essa página não será fechada)

Como funciona esse lance de edições? Quando um autor lança um livro, a editora ou ele mesmo imprime uma determinada quantidade de livros, geralmente, 1.000 exemplares. Essa primeira impressão é chamada de primeira edição. Quando estes exemplares acabam, a editora ou o autor manda imprimir mais 1.000 exemplares. Essa segunda impressão é chamada de segunda edição. E assim vai indo, a cada edição, significa que a quantidade de livros impressos esgotou-se e foi impresso mais uma quantidade. Por isso meu romance THEUS (romance gay) está na quinta edição!

Fico muito orgulhoso por isso. Muita gente não deve saber, mas é raro um autor lançar um livro e ele vender toda a primeira edição. Meu livro O Armário está na terceira. E agora esse presente que é o THEUS.

Como o custo para lançar cada edição ainda é alto no Brasil, pelo preço do papel, etc e tal, estou aqui abrindo a pré-venda da quinta edição. E é tudo muito simples. Você clica no botão abaixo, faz o pagamento (boleto, cartão de crédito ou transferência bancária) usando o PagSeguro e, assim que o livro chegar da gráfica (daqui mais ou menos 45 dias – deve chegar antes, claro!) eu mando pra você por correio. Assim, já entra uma grana para ajudar nos custos da produção.

Logo, se você ainda não leu ou quer presentear um amigo, e quiser me dar essa força, basta reservar um (ou vários) exemplares abaixo. Só peço um pouco de paciência, pois o PagSeguro manda uma mensagem automática perguntando se está tudo certo com a compra após 15 dias. E o livro só será enviado a partir de 30 dias. E, calma, até hoje, nunca tive qualquer problema com dinheiro de leitores e novos leitores. Qualquer problema na produção, data de entrega, etc, tudo será comunicado a todos por e-mail, combinado?

Mas essa é uma forma, até bem interessante, de fazer com que muita gente que um dia escutou falar a respeito, finalmente tome a iniciativa e compre o romance THEUS que, felizmente, vem fazendo muito sucesso.

Lembrando que o valor do livro é de R$ 30,00 mais R$ 7,00 de frete (para qualquer região do Brasil). Se tiver dificuldades para fazer o pagamento, me escreva que mando os dados da minha conta no Banco Itau.

E, novamente, meu muito obrigado! Em 2018 vem novos livros por aí. Aguardem!

(link removido, compre direto no site da editora)

Agora, se você não conhecia meu trabalho e quer muito ler o THEUS AGORA MESMO, corre e compra a versão digital na Amazon (daí, já pode ler no celular, tablet ou computador usando o aplicativo KINDLE)

Oficina de Escrita Erótica com Fabrício Viana no Sesc Belenzinho

0

No dia 06/02 vou ministrar uma oficina gratuita com o tema “Romance Homoerótico” no Sesc Belenzinho das 19h as 22h. Essa oficina faz parte do projeto Libertária: Programação para Adultos, onde diversos autores ministrarão oficinas de Escrita Erótica em diversas datas.

Segue texto retirado no site do Sesc (link aqui) e cronograma completo:

Oficina de escrita criativa com objetivo de incentivar a produção literária com temática erótica. A cada encontro, um autor será o facilitador do grupo, compartilhando sua experiência na produção de literatura erótica, além de propor exercícios de escrita que serão desenvolvidos durante a oficina.

16/01 – “Escrita Erótica na Internet”, com Seane Melo. (Jornalista e escritora maranhense, publicou de forma independente o e-book de contos eróticos ‘Ao vivo em Goiânia: quatro contos de patroa’. Mensalmente, divulga novos contos no Medium, como colaboradora da publicação Mulheres que Escrevem, onde procura desenvolver múltiplos olhares para o feminino no erotismo. É doutoranda em Comunicação na Universidade Federal Fluminense.)

23/01 – “Poesia Feminista”, com Bruna Escaleira (Formada em Jornalismo pela USP e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP, pesquisa poesia erótica e feminismos no Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa na USP, é colunista no portal AzMina sobre literaturas feitas por mulheres. Além de participar de diversas coletâneas e revistas literárias, tem dois livros de poesia publicados: “Entranhamento” (Editora Patuá, 2014) e “Algo a Declarar” (Editora Com-Arte, 2016). Desde 2011 faz parte do coletivo Circular de Poesia Livre com o qual realizou os Saraus das Mulheres Livres.)

30/01 – “Poesia Homoerótica”, com Victória Sales (Moradora da zona norte de São Paulo é poeta, slammer, fotógrafa amadora, arte educadora e se formou em biblioteconomia. Lançou no ano de 2017 o livreto “Um Jazz pra Duas”, composto apenas por poesias de amor lésbico.)

06/02 – “Romance Homoerótico”, com Fabrício Viana (Jornalista, escritor e bacharel em psicologia. É autor dos livros com temática LGBT “O Armário”, “Ursos Perversos”, “Orgias Literárias da Tribo” e “Theus: Do Fogo à Busca de Si Mesmo”. Também é organizador do Congresso Nacional Online de Literatura Queer”.). Seus livros: http://fabricioviana.com/livros

20/02 – “Do Conto ao Romance”, com Alexandre Marques Rodrigues (Formado em Psicologia, pela Universidade Católica de Santos. “Parafilias”, livro de estreia, com temática erótica, publicado pela Record, foi vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2014, na categoria Contos, e finalista do Prêmio Jabuti. Em 2016, também pela Record, lançou seu primeiro romance, Entropia, finalista do Prêmio São Paulo e publicado este ano em Portugal, pela Teodolito.)

27/02 – “Sexo e Amizade”, com André Sant’Anna (Escritor, músico, dramaturgo, roteirista de cinema, televisão e publicidade. É autor da trilogia “Amor” – Edições Dubolso, “Sexo e Amizade” – Companhia das Letras; “O Paraíso é Bem Bacana” – Companhia das Letras; “Inverdades” – 7Letras; “O Brasil É Bom” – Companhia das Letras. Teve o conto “O Importado Vermelho de Noé” incluído na antologia “Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século” e o texto “Pro Beleléu” na antologia “As Cem Melhores Crônicas Brasileiras” – Ed.Objetiva.)

Local: Sala de Oficinas 3

Informações e inscrições, aqui
https://www.sescsp.org.br/programacao/142925_ESCRITAS+EROTICAS 

Ator pornô hetero de 27cm Bo Sinn grava cena de sexo gay sem camisinha.

0

Como bem sabem, eu amo literatura erótica (tanto que um dos meus livros – e um dos mais vendidos – é de contos eróticos gays), pornografia e o mundo do sexo propriamente dito. Claro que a gente não faz sexo 24h por dia como todos imaginam, nem tem como, afinal, o trabalho, os estudos e outros prazeres também são prioridades. Porém, quem entende de pornô, gay, bi ou heterossexual, vai se lembrar do famoso Bo Sinn. Ele é quase o Kid Bengala lá fora por conta dos seus 27 centímetros.

O que ninguém esperava, daí vem a surpresa, é que o grandalhão faria um vídeo pornô gay e bareback (sem camisinha). Aliás, entre nós, é sabido que vários atores heteros também curtem outros homens. Nem vou citar nomes para não ser processado aqui no meu blog. Mas já cansei de escutar histórias de fulano e cricrano que pelo menos deixa você chupar ou mete com força no rabo de alguns caras. Bom, deixaremos as fofocas de lado, vamos voltar pro Bo Sinn. Recentemente ele foi contratado pela produtora gay Bromo e já no seu primeiro vídeo ele contracena com o ator gay Tyle Knoxx tendo uma uma pequena participação do ator Ryan Bones.

Em entrevistas, Bo garante que fez o vídeo por dinheiro. O mesmo ocorre com aquele outro ator, heterossexual, brasileiro, casado com mulher e que tem filhos, que diz que faz vídeo pornô gay (ele sendo passivo, isto é, sendo penetrado) também por dinheiro. Se eles dizem isso? Quem somos nós, não é mesmo? Eu, repetindo novamente, amo pornô e acho que todos saem ganhando. Se bem que, neste mercado, como já relatou alguns amigos que são atores pornôs gays que eu conheço, o mar não está tão bom assim. Mas, é o que tem.

Caso queira ver o vídeo do Bo Sinn na cena gay, o trailer pode ser assistido aqui. Não está satisfeito? Ok. Parece que o vídeo já vazou. E, por enquanto, a versão completa aqui (não sei por quanto tempo ficará on). Se tiver mais novidades sobre ele, registre nos comentários. Se tiver ator pornô favorito, também. Sou bem curioso. 😉

O que são as IST: Infecções Sexualmente Transmissíveis?

0

Não é difícil entender. Antigamente, muitas delas eram classificadas dentro da caixinha DST: Doenças Sexualmente Transmissíveis. O problema é que, nem todas, eram de fato doenças. Muitas delas começam como sendo infecções e, só depois disso, se transformam em doenças.

É o caso por exemplo do HIV. Quando você é infectado, você não fica doente instantaneamente. Após contrair o vírus (ter uma infecção, biologicamente falando), na maioria dos casos, seu corpo leva em média 5 ou 6 anos para que sua imunidade fique tão baixa que ele se transforme na AIDS (Síndrome da Imuno Deficiência), que aí sim é a doença propriamente dita (e onde muitos, que não sabem que tem HIV, morrem por não ter iniciado o tratamento anos antes)! Em algumas pessoas, isso leva apenas alguns meses, outras, mais anos (cada organismo reage de um jeito!). Mas esta é a média (não se atentar a ela, por favor! Afinal, novamente, cada organismo reage de um jeito). Isso significa que, mesmo estando com o HIV, você não tem sintoma algum, por isso ela é uma Infecção Sexualmente Transmissível.

Daí em diante tem muitas informações ligadas as IST que todos nós, direta ou indiretamente, precisamos entender. Você não precisa se aprofundar no assunto. Mas saber o que é Prep, Pep, saber que pessoas com HIV, que tomam medicação e tem carga viral indetectável não transmitem o HIV (falo isso inclusive dentro do meu romance gay chamado THEUS, aliás, um sucesso a parte, quando puder, leia: tem versão impressa e digital aqui)

E se você não tem muito tempo mas topa assistir 10 minutos de um vídeo, recomendo este, da Lorelay Fox em parceria com a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Em poucos minutos, tem várias explicações de muitas coisas sobre as IST. Assista aqui mesmo:

Gostou? Então vamos dar uma ajudinha? Vamos compartilhar esse post na sua timeline?

Afinal, a informação é a única arma contra o preconceito e ignorância.

Combinados?

E não se esqueçam de me adicionar nas redes sociais. Todas aqui:
http://fabricioviana.com/redessociais

Caso queira conhecer todos os meus livros com temática LGBT, visite:
http://fabricioviana.com/livros

Iraniana realiza 50 cirurgias para ficar parecida com Angelina Jolie

0

Sinceramente? Você se incomoda por ter um nariz muito grande? Seios enormes? Falta deles? Ou alguma outra coisa que a ciência e os procedimentos estéticos podem ajudar? Faça! Existem ótimos profissionais no mercado. Agora, fazer 50 cirurgias para ficar parecida com a Agnelina Jolie, não, né?

Mas não é isso que pensa a jovem de apenas 22 anos chamada Sahar Tabar. A iraniana começou com uma cirurgia plástica no nariz aos 19 anos. Não satisfeita, fez diversas outras. E tudo para ficar parecida com a atriz Angelina Jolie. Inclusive, em seu Instagram com mais de 470 mil seguidores, ela diz que fez questão de ficar magra perdendo 40Kg.

Suas fotos atuais são bem impactantes.

Confira você mesmo (direto do Instagram dela):

Muitas pessoas, nas redes sociais, diz que ela parece mais a personagem do filme “A Noiva Cadáver” do que a Angelina Jolie.

E você?

Teria coragem de fazer tantas cirurgias para ficar parecido com outra pessoa? Só o fato de deixar de ser você mesmo já me perturba muito! rs

VÍDEO: Pastor faz pênis de fiel voltar a funcionar simplesmente sentando nele

0

Não é brincadeira não. Tanto que tem vídeo comprovando. Mas esse pastor, que já publiquei nota aqui no meu blog, com outros vídeos focados nos pênis dos fiéis, tem uma verdadeira fixação pelo órgão genital masculino. No mínimo.

Desta vez, Daniel Obinim, pastor residente em Gana, na Àfrica, senta com a bunda em cima do fiel na frente de todo mundo e faz uma oração. O objetivo é fazer o órgão masculino voltar a funcionar.

E a igreja aplaude de pé!

Assista você mesmo ao vídeo:

Para ler a outra matéria sobre ele e sua fixação peniana, também com vídeo, clique aqui.

Já pensou se a moda pega aqui no Brasil?

Se bem que tem muito pastor por aqui que faz isso, mas escondido. Depois aparece na mídia criticando homossexuais. Eles deveriam ler meu livro sobre a homossexualidade chamado O Armário. E sair do armário! rs

Cuidado com quem você conhece nos aplicativos de pegação.

0

Há muitos anos, quando meu blog era dentro de um portal famoso voltado pra comunidade LGBT, fiz uma postagem parecida, relatando alguns casos que escutava na noite. Entre os comentários, um cara disse que, por eu ser escritor, eu estava “inventando” as coisas.

Naquele momento eu entendi que a gente só vê o que queremos ver. E muitos daqueles relatos eram tão insanos, pra ele, que ele realmente acreditava que fosse fruto da minha imaginação. Mas não eram.

Eu conheço muitas histórias. A última que escutei, acabei colocando dentro do meu romance gay chamado THEUS: Do fogo à busca de si mesmo. Não é o enredo principal, mas, o protagonista fica sabendo de uma coisa que aconteceu com uma travesti. No livro, é uma travesti. Mas a história real, que me baseei, aconteceu com um amigo gay. Ele estava em casa sozinho, achou um “boy magia” no aplicativo e convidou o mesmo para ir até sua casa. O boy tocou a campainha e ele abriu o portão. Quando abriu, mais dois caras – que estavam escondidos – entraram em sua casa.

Segundo este meu amigo, ele ficou preso em seu banheiro enquanto os três homens roubavam toda a sua casa. E, a todo o momento, eles conversavam alto decidindo se iriam ou não iriam matar ele. No final, depois de quase 5 horas roubando a casa inteira e ele preso no banheiro, deixaram ele viver: “Estamos indo embora, mas você vai ficar ai mais duas horas. Se sair antes, se ir atrás da gente ou se nos denunciar, voltamos aqui e acabamos com a sua vida”.

Claro que o problema não são os aplicativos de pegação. Coloquei isso no título da matéria pois hoje temos diversos aplicativos gays de encontros e é muito fácil chamar alguém até sua casa ou visitar a casa de alguém. Outro dia mesmo, um garoto mandou mensagem pro meu vizinho dizendo: “Meus pais estão trabalhando, cheguei da escola, estou sozinho aqui, vem agora!”. Daí você imagina, um jovem em casa sozinho convidando um desconhecido para ir até sua casa escondido dos pais.

Lembro-me, vagamente, que antes da Internet e esses aplicativos, um cara que conheci na balada gay pagava bebida pra todos os amigos todos os finais de semana. Desempregado, ele dizia que tinha uma renda guardada. Depois de alguns meses, o cara sumiu. O amigo dele, que era meu amigo, ao perguntar por ele, disse que esse cara “apareceu do nada” na roda de conversa deles e perguntou se ele conhecia algum lugar para dividir apartamento. Meu amigo disse que onde ele morava tinha um quarto vago. E alugou para ele. O que meu amigo não sabia era que, ao sair de casa para trabalhar, esse cara ia no quarto dele, pegava todos os documentos e fazia empréstimo pessoal em seu nome em várias operadoras de crédito. Por isso tinha tanto dinheiro sem trabalhar. Depois que descobriram, o cara apareceu com dois advogados. Dizendo que não tinha sido ele. E para não apanhar, desapareceu de São Paulo. Provavelmente aplicando golpes em outros lugares.

Ou ainda, na mesma época, de um conhecido que beijou um cara na balada, citou por cima onde morava e no outro dia o cara estava na porta da sua casa pedindo pra entrar. Ou de uma drag queem, novinha, conhecida que morava na rua Rego Freitas (centro de São Paulo), que foi encontrada morta após ter saído com outro boy magia. Ou de um senhor, na Vieira de Carvalho, artista plástico, que foi encontrado com o corpo carbonizado dentro de seu carro no dia seguinte após ter conhecido um garoto no mesmo local.

Sem falar em um empresário LGBT, famoso, muito esperto com esses golpes, que caiu no famoso boa noite cinderela. Ele me disse que nunca aceitava bebida de ninguém com medo. Mas uma vez conheceu um jovem em uma sauna gay e o levou para casa. No caminho, o jovem ofereceu um chiclete de goma, com recheio no meio. Ele aceitou, a embalagem estava fechada, nem percebeu maldade. Ao chegar em casa, capotou. Só acordou no dia seguinte com o apartamento roubado. Tudo indica que o jovem astuto injetou com seringa o sonífero dentro do chiclete. Coisa que ele jamais imaginaria, ja que era bem esperto com estas coisas.

Para essa e outras tantas histórias que não chegam à mídia, vale a pena dizer: tomem cuidado. Ainda mais nessa facilidade de encontros. Afinal, infelizmente, nem todo mundo mostra suas reais intenções logo de cara.

#COMPARTILHEM Sete bons livros para quem deseja “Sair do Armário”

0

Em 2006 eu escrevi um livro sobre a homossexualidade chamado O Armário com o objetivo de ajudar as pessoas a “sairem do armário”. Em 2017 o Pedro Sammarco escreveu o Homofobia Internalizada, praticamente com a mesma função. Então, juntos, pensamos, poderíamos fazer uma lista de alguns livros que ajudem as pessoas a se aceitarem, não? Afinal, por mais que a sociedade fale mais sobre a homossexualidade, o preconceito, a desinformação e o medo de se assumir gay (e ser feliz) de muitas pessoas ainda é muito grande.

Claro que, com o nome de Armário encontramos diversos outros livros (inclusive de amigos meus). Mas nós resolvemos colocar nesta lista aqueles que lemos e que tem essa principal função de ajuda: e não apenas relatos pessoais dos autores.

Quem puder compartilhar a postagem, compartilhe. Afinal, sempre existe alguém em nossas redes sociais que passam por este problema e, infelizmente, não tem com quem conversar. Ou fazer uma psicoterapia.

Os livros – felizmente – ajudam muito a entender o outro e a si mesmo.

Meu Facebook aqui. Do Pedro, aqui.

Agora vamos direto para a lista. Ordem alfabética:

Livro: Auto-estima para homossexuais: um guia para o amor próprio
Autor: Kimeron N Hardin
Ano: 1999
Formato/tamanho: 14.0 x 21.0 cm
Páginas: 248
Editora: Edições GLS
Link para comprar http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/680/Auto-estima+para+homossexuais

Livro: Experiência homossexual: explicações e conselhos para homossexuais
Autora: Marina Castañeda
Ano: 2007
Páginas: 328
Formato/tamanho: 14.0 x 21.0 cm
Editora: Girafa
Link para comprar
https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/lgbt/a-experiencia-homossexual-2138849

Livro: Homofobia Internalizada: o preconceito do homosssexual contra si mesmo
Autor: Pedro Paulo Sammarco Antunes
Ano: 2017
Páginas: 340
Formato/tamanho: 16.0 x 23.0 cm
Editora: Annablume
Link para comprar
http://www.annablume.com.br/loja/product_info.php?products_id=2201&osCsid=ih6nkjj8p3h

Livro: O Armário: Vida e Pensamento do Desejo Proibido
Autor: Fabrício Viana
Ano: 2006
Páginas: 144
Formato/tamanho: 14.0 x 21.0 cm
Editora: Bons Livros Editora Digital
Link para comprar
http://fabricioviana.com/livros

Livro: Papai, mamãe, sou gay!
Autor: Rinna Reisenfeld
Ano: 2002
Páginas: 220
Formato/tamanho: 14.0 x 21.0 cm
Editora: Edições GLS
Link para comprar
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/778/Papai,+mam%C3%A3e,+sou+gay!

Livro: Terapia afirmativa: uma introdução à psicologia e psicoterapia dirigida a gays, lésbicas e bissexuais
Autor: Klecius Borges
Ano de lançamento: 2009
Formato/tamanho: 14.0 x 21.0 cm
Páginas: 104
Editora: Edições GLS
Link para comprar
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1173/Terapia+afirmativa

Livro: Tornar-se Gay. O caminho da auto-aceitação
Autor: Richard A.Isay
Ano de lançamento: 1998
Formato/tamanho: 14.0 x 21.0 cm
Páginas: 184
Editora: Edições GLS
Link para comprar
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/660/Tornar-se+Gay

Caso saiba de mais algum título bacana com essa função, deixe registrado nos comentários. Só precisamos tomar cuidado! Tem alguns livros no mercado, como o Saindo do Armário, que são relatos de ex-gays que agora “são felizes pois abandonaram o homossexualismo”. Ou aquele outro, Homossexualidade Masculina, onde o autor também fala das terapias de conversão. E tanto eu quanto o Sammarco, formados em psicologia, acreditamos que cura não existe. Nem conversão. Quem faz isso, se engana, e vive uma vida cada vez mais infeliz. Precisa se aceitar. Assumir. Ser quem realmente é.

“Como saber se meus amigos são falsos?” por Leandro Karnal

0

Leandro Karnal é um historiador brasileiro, professor da UNICAMP na área de História da América. Foi também curador de diversas exposições e na elaboração curatorial de museus, como o Museu da Língua Portuguesa deSão Paulo.

Graduado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e doutor pela Universidade de São Paulo, Karnal tem publicações sobre o ensino de história, sobre história da América e a história das religiões.

No trecho abaixo, Karnal diz que grande parte das pessoas que se dizem nossas amigas são invejosas e estão ao seu lado para competir e não para ajudar.

Você concorda com ele? Deixe comentários.

22ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro acontece dia 19 de Novembro

0

Evento acontecerá dia 19 de novembro na Avenida Atlântica, em Copacabana, e terá a participação de Daniela Mercury

Diante de uma situação de extrema dificuldade financeira – e também política e religiosa -, a Parada do Orgulho LGBTI do Rio esteve em vias de não acontecer neste ano. Além de uma crise econômica nunca antes vista no estado, o movimento LGBT vem sofrendo uma pressão com um governo fundamentalista na cidade do Rio de Janeiro, que atua para enfraquecer o que foi conquistado de direitos até agora. Apesar de todas essas dificuldades, a 22ª Parada do Orgulho LGBTI do Rio acontecerá no dia 19 de novembro em Copacabana com apoio da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro – ABIH e patrocínio da Ambev e da Uber. Esta última trará em seu trio a cantora Daniela Mercury, que abriu mão do seu cachê para participar do evento. Neste ano, a bandeira de todos será “Resistindo à LGBTIfobia, fundamentalismo, todas as formas de opressão e em defesa do Rio”.

Além da baiana, outros artistas doaram seu tempo e abriram mão do cachê para estarem na passeata mais colorida do Brasil. A Parada do Orgulho LGBTI Rio terá seis trios com shows de Lorena Simpson, Sara e Nina, Yann, Cariúcha, DJ Paulo Pringles, Bloco Exagerados, Candybloco e várias outras atrações. A cantora Leila Maria entoará o Hino da Parada “Bom é Beijar”, criada para o evento em 1998. Mais uma vez, a Divina Diva Jane Di Castro abrirá a Parada cantando o Hino Nacional. A bateria da Estação Primeira de Mangueira fará parte da manifestação, levando o brilho da escola para a Avenida Atlântica.

“O grande desafio deste ano é colocar na rua o que é o tema da Parada: a resistência. Num momento em que direitos são retirados, em que o fundamentalismo e conservadorismo avançam, colocar o terceiro maior evento da cidade na rua com esse mote e, ao mesmo tempo envolver artistas, a comunidade e vários movimentos sociais tem nos feito perceber o quão importante é todas as pessoas estarem unidas em um único propósito”, ressalta Marcelle Esteves, vice-presidente do Grupo Arco-Íris.

Quem chegar à orla cedo pode aproveitar os serviços da ‘Ação, Orgulho e Cidadania’ a partir das 9h até às 16h. “Há 13 anos a ‘Ação, Orgulho e Cidadania’ tem o objetivo de criar uma maior aproximação com a sociedade e a comunidade LGBT, promovendo serviços essenciais e informações úteis sobre direitos e saúde.

A Parada da Resistência será realizada um dia antes do Dia da Consciência Negra e reforçará a luta em defesa da resistência da cultura e do povo negro. “É essa resistência em tempos de fundamentalismo religioso e a aceitação de diversidade sexual e de gênero, comportamental e estética que serão o mote de todos que levantarão a bandeira da diversidade LGBTI e da luta contra quem rejeita os seres humanos apenas por eles fugirem dos estereótipos impostos pela sociedade. Somos gays, lésbicas, bi, drags, kings, ursos, trans, gordos, idosos, pessoas femininas, masculinas, brancas, negras, surdas e com deficiências intelectuais, físicas e de visão. A Parada 2017 traz mais essa reflexão: todos somos diferentes e iguais ao mesmo tempo”, ressalta Almir França, presidente do Grupo Arco-Íris.

A Parada do Orgulho LGBT Rio organizada há 22 anos pela ONG Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT leva para as ruas pessoas que lutam por direitos iguais, que combatem a intolerância, o preconceito e o ódio, dando voz àquelas pessoas que por tantos anos viveram à margem da sociedade, mostrando para a sociedade que o mundo está avançando para um lugar que respeita a diversidade e que todos têm o direito de amar quem quiserem. “Ela é considerada o terceiro maior evento da cidade e leva centenas de milhares de pessoas para a mais famosa praia do mundo. A Parada é sinônimo de vanguarda. Foi a primeira do Brasil e desde então cumpre papel importante na luta pela igualdade de direitos para a população LGBTI no país”, diz Claudio Nascimento, fundador da Parada do Rio.

A edição de 2017 conta ainda como apoiadores: Articulação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos – ABGLT; Rede GayLatino; Aliança Nacional LGBTI+; Associação Internacional de Turismo LGBT – ILGTA; Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro – ABIH; Rio Convention & Visitors Bureau; JW Marriot Rio; Rede Windsor; Vintepoucos Filmes – Agência Audiovisual; 1STi – Tecnologia e Valor Compartilhado; PrecisaSer – Instituto de Tecnologias Digitais e Sociais. Noss@s Amig@s da Parada: Ilê Oju Omi Arô; GRESEP Mangueira; Bloco Exagerados; Boite Buraco da Lacraia; Viaje com Orgulho – Agência de Turismo LGBT; Festa Kiki.

Serviço:

22ª Parada do Orgulho LGBT Rio
19 de Novembro de 2017 – Início as 9h com concentração as 13h
Concentração em Copacabana – Rio de Janeiro
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/395935340823141/

Associação da Parada LGBT de São Paulo realiza o I Encontro de Saúde/Prevenção IST/AIDS entre Jovens LGBTs.

0

Evento tem entrada gratuita. Vagas limitadas.

A APOGLBT SP, ONG responsável pela maior Parada do Orgulho LGBT do mundo, realizará no dia 28 de Novembro de 2017 o I Encontro de Saúde/Prevenção IST/AIDS entre Jovens LGBTs em São Paulo.

O encontro, organizado pela Associação do Orgulho GLBT de São Paulo é uma das primeiras etapas de uma importante e contínua ação da ONG ligadas à saúde e  prevenção de IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis)/AIDS. Com entrada gratuita,  o projeto vai acontecer todos os anos e sempre no mês de novembro, próximo ao dia 1º de Dezembro (Dia Mundial de Luta Contra a Aids).

Como parceiros, estão o Programa Municipal IST/AIDS, Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS – SP, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais – Ministério da Saúde, a Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual do Est. de São Paulo, Museu da Diversidade além do Projeto Boa Sorte, Fórum de ONGs Aids do Estado de São Paulo e Menino Gay.

PROGRAMAÇÃO:

Mesa de Abertura:

– Sr Rodrigo Pinheiro: Fórum Ongs Aids do Estado de São Paulo
Tema: “Panorama das ONGs Aids no Est. de São Paulo – Desafios”
– Sra Cláudia Regina Garcia: Presidente da Parada do Orgulho GLBT do Estado de São Paulo
Tema: “Importância do Encontro de Saúde/Prevenção p/ a APOGLBT SP”
– Diretora do UNAIDS Brasil: Georgiana Braga-Orillard
Tema: “Importância do evento da Parada em resposta à epidemia de IST/Aids”

Mesa Redonda:

–  Mediação: Rita Von Hunty

– Dr Gerson Pereira: Depto de Vigilância Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais – Min. Da Saúde.
Tema: “Atualização sobre a situação atual e tendências da epidemia de HIV e IST entre a população LGBT”.
– Sra Ivone de Paula Programa Estadual/CRT – DST/AIDS do Estado de São Paulo.
Tema: “Discussão das novas estratégias de prevenção para o enfrentamento dessas epidemias com foco nos segmentos mais jovens”.
– Dra. Maria Cristina Abbate: Coordenadora do Programa Municipal DST/AIDS.
Tema: “Como está a PEP no Município de São Paulo, como será a Implantação da PREP”.
– Sociedade Civil/Facebook: Sr Matheus Emílio – Menino Gay
Tema: “As Mídias Sociais na Luta Contra a AIDS”.
– Sociedade Civil/Youtuber: Sr Gabriel Estrela – Projeto Boa Sorte
Tema: ‘Acolhimento/Estigma/Preconceito’.
– Dr Ricardo Vasconcelos – Médico Infectologista da FMUSP e do PrEP Brasil.
Tema: Jovens e Prevenção Combinada.

O grupo AlenCastro vai fazer um ‘pocket-show’ na abertura do evento.

Outra novidade do projeto será a criação de três vídeos com foco na Prevenção das IST/HIV/Aids, seguindo a:

  • Situação atual e tendências da epidemia de HIV/ISTs e acesso do segmento LGBT às Políticas de Prevenção;
    • Saúde/Prevenção Combinada (PrEP, PEP, Tratamento como Prevenção, testagem, aconselhamento e preservativos);
    • Visibilidade Positiva.

Sobre a APOGLBT SP:

A Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOGLBT SP) é a ONG responsável pela maior Parada do Orgulho LGBT do mundo. Além disso, ela é organiza também diversos eventos ao longo do ano, tendo sua concentração maior no Mês do Orgulho LGBT, como o Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade, Ato Em Memória, Feira Cultural LGBT, Jogos da Diversidade, Bloco da Diversidade, entre outros.

Parceiros do I Encontro de Saúde/Prevenção IST/AIDS entre Jovens LGBTs:

  • Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS – SP
  • Programa Municipal de DST/AIDS – Secretaria Municipal de Saúde
  • Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual do Est. de São Paulo
  • Museu da Diversidade
  • Fórum de Ongs Aids de São Paulo
  • Projeto Boa Sorte
  • Menino Gay

 Apoiadores I Encontro de Saúde/Prevenção IST/AIDS entre Jovens LGBTs:

  • Depto de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais – Ministério da Saúde
  • ONG Koinonia
  • Aliança Francesa de São Paulo
  • Canto Produções

Vagas limitadas. Participação gratuita.

Serviço:

I Encontro de Saúde/Prevenção IST/AIDS entre Jovens LGBTs
Realização APOGLBT SP (http://www.paradasp.org.br)
Dia: 28 de novembro de 2017
Horário: das 18h às 20h
Local: Aliança Francesa
Rua General Jardim, 182 – Centro – SP – Entrada Franca. Vagas limitadas
Ficha de inscrição. https://goo.gl/forms/Q5z2O63GACA0GQdy1
Link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/122522791773103